Categoria: <span>Fisioterapia</span>

Como as camisetas surgiram?

Confira uma breve história desta peça clássica.

 

Hoje em dia, é até difícil imaginar um mundo em que camisetas não sejam onipresentes. A peça é essencial em qualquer guarda-roupa, seja masculino, feminino, infantil, jovem, adulto ou idoso. Contudo, nem sempre foi assim: o item percorreu um longo trajeto até ocupar lugar de destaque definitivo no vestuário.

 

Considerada uma das roupas confortáveis do guarda-roupa atual, antes, a camiseta vivia escondida, ganhando as vitrines, as ruas e os corações de todos nós apenas em um passado relativamente recente. Contamos um pouco dessa história aqui, acompanhe abaixo.

1.  Longo início

A origem da camiseta remonta à Antiguidade. Por baixo das armaduras dos soldados romanos, havia uma proteção de linho, chamada “camisia”. Foi assim que tudo começou e permaneceu por muito tempo: o item era usado como peça de baixo para proteger o corpo principalmente da transpiração.

 

A popularização veio a partir da Revolução Industrial, quando praticamente todas as áreas de produção sofreram grandes mudanças. Com a introdução do tear mecânico e das máquinas têxteis, a camiseta passou a ser produzida e consumida em larga escala por trabalhadores.

 

Os filhos desses operários, que, muitas vezes, também trabalhavam na indústria, passaram a usar as camisetas desde a infância. No entanto, o uso não ficou restrito aos cidadãos urbanos: por causa do baixo custo, a peça passou a ser largamente utilizada para trabalhos rurais justamente pelo conforto.

 

Até a Primeira Guerra Mundial, permaneceu como roupa de baixo, sendo utilizada por trabalhadores braçais. Naquela época usar camiseta socialmente não era uma hipótese. Entretanto, o conflito foi importantíssimo por incluir a peça de algodão como vestimenta dos soldados, figuras enaltecidas no pós-guerra.

 

Graças aos soldados norte-americanos, a camiseta ganhou a cara que conhecemos hoje. Por meio da propaganda dos oficiais, a peça também começou a ser exportada.

2.  Grande virada

Pode perguntar para os seus avós se eles viam as camisetas com bons olhos: há muitas chances de que a resposta seja negativa. Até os anos 50, a peça ainda era usada embaixo das roupas, escondida.

 

Tudo mudou quando Marlon Brando apareceu de camiseta branca e calça jeans no filme Um Bonde Chamado Desejo. Nesse momento, até os idosos se renderam à peça. Foi um sucesso estrondoso, enquanto a imagem de virilidade de Brando era o ideal a ser alcançado pelos homens.

 

Ainda na década de 50, mais especificamente, em 1955, apareceu outro ícone do cinema usando o look formado por camiseta branca e calça jeans, combinado com carros em alta velocidade e cigarros: James Dean. Assim, a camiseta ganhou os corações da juventude contestadora e passou a ser sinônimo de posicionamento político.

 

Falando em política, foi na esteira da herança de rebeldia e contestação juvenil que a camiseta conquistou seu posto de vestimenta mais usada para expressar mensagens. Com o movimento hippie e os festivais de música, as camisetas passaram a trazer as clássicas frases de paz e amor, além de símbolos da contracultura, texto antiguerras e estampas tie-dye — que voltou à moda hoje.

3.  Incontestável ícone

Desde então, não teve mais volta: a camiseta chegou e ficou. Dos anos 80 para cá, as camisetas não eram mais exclusivas de jovens rebeldes, mas pertencendo a todos. Até a Princesa Diana apareceu usando a peça por baixo de um blazer, deixando a Família Real enlouquecida.

 

As camisetas de banda viraram tendências, mas as listradas, no estilo náutico, também caíram no gosto dos mais refinados. Hoje em dia, viraram até uniformes de CEOs de sucesso: Mark Zuckerberg e Steve Jobs sempre advogaram usar apenas um estilo de camiseta e calça jeans para não perderem tempo pensando em roupas, o que contribuiu para que a peça fosse cada vez mais aceita em ambientes de trabalho.

 

Não tem como contestar: a camiseta é uma peça confortável, atemporal, simbólica e universal, presente em todos os guarda-roupas, festivais de música, passarelas, escritórios e, principalmente, corações.

O que é Marketing Digital?

Digitalização das relações no mundo atual vem transformando o marketing e a propaganda.

Não é segredo que a digitalização do mundo é um processo atual que estamos todos testemunhando. Estudos, compras e até festas já acontecem digitalmente. Mesmo as dinâmicas de trabalho entram na lista das relações virtuais da contemporaneidade. Nesse sentido, a publicidade é impulsionada pelo crescimento desse fenômeno.

Os estudos de estratégia de marketing, somados aos de comunicação, por estarem presentes em todos os ramos do mercado, apresentam um intenso processo de digitalização para uma empresa. Tanto consumidores como empresas investem, de uma maneira ou de outra, em sua presença online. Isso significa que o marketing digital se tornou a forma mais eficiente de potencializar a relação entre esses dois agentes das relações comerciais.

Veja também : Mindset de Crescimento

Ao contrário do que muitos pensam, investir no aspecto digital aproxima clientes e empresas, potencializando as vendas e a satisfação dos clientes que, vale ressaltar, são crescentemente familiarizados com as plataformas e ferramentas oferecidas pela internet.

Além da digitalização

Inicialmente, é preciso entender que o marketing digital vai além da simples virtualização dos processos de marketing tradicionais. Por um lado, é verdade que os gestos que envolvem essas dinâmicas e estratégias utilizam alguns princípios que coincidem com aqueles mais populares. Por outro, entretanto, a premissa de que o marketing digital utiliza exclusivamente ferramentas oferecidas pelas possibilidades da rede mundial de computadores, a internet, demanda atenção para que alguns erros não sejam cometidos.

Deve-se entender, por exemplo, que a informação na internet circula bem mais rápido e isso deve ser enxergado, simultaneamente, como uma vantagem e um alerta. Isso porque essa velocidade também implica no fato de que as mesmas informações também se tornam obsoletas muito mais rápido.

Dessa maneira, é urgente que se entenda não somente como distribuir conteúdo e engajar consumidores, mas também como se comprometer com estratégias que acompanharão essas mudanças e com o desafio de fazer com que o seu conteúdo não se torne irrelevante com o passar do tempo.

É importante lembrar que tempo, na internet, pode significar apenas alguns minutos. Mesmo uma promoção que viralize pode perder lugar para outra que tenha se estruturado de maneira mais sólida e consistente.

Desenvolvendo solidez

Entre as muitas estratégias existentes, umas das mais eficientes são conhecidas como SEO (Search Engine Optimization). Em suma, o objetivo básico das SEO é a otimização de sua empresa, negócio e propaganda nos resultados de plataformas que oferecem serviços de busca.

Sua configuração, atualmente, envolve diversas outras dinâmicas. Isso porque o próprio conceito de SEO modificou as dinâmicas do ecossistema digital e foi, ao mesmo tempo, transformado pela própria internet. Um exemplo disso é o fato de que a maioria dos acessos à internet é feita através de dispositivos móveis. Assim, sai na frente quem produz conteúdos que sejam compatíveis com celulares.

O papel das redes sociais, nesses casos, é essencial. Não são raros os casos de negócios que viram suas vendas alavancarem após terem investido na presença online através desse tipo de plataforma.

Outra forte tendência a ser considerada é a produção de conteúdo. Vivemos na era da informação e a empresa que entende isso também está em vantagem. Conteúdos bem elaborados ajudam a construir a solidez, bem como a desviar da irrelevância do que foi produzido, que assombra todos aqueles que trabalham com o marketing digital.

Muitas empresas mantêm plataformas, como podcasts e blogs. Episódios bem roteirizados com informações sérias e relevantes, bem como artigos bem escritos, tem o potencial de tornar um consumidor em um seguidor da sua marca, uma vez que ele começa a se identificar não só com os seus produtos, mas com sua filosofia de empresa.

É claro que algumas estratégias mais conhecidas e tradicionais, tais como as palavras-chave, ainda são e continuarão sendo bastante relevantes quando falamos de SEO. Aqueles que querem, de fato, ter sucesso no marketing digital, devem estar preparados para acompanhar as mudanças do mundo virtual.

8 dicas para combater espinhas e cravos

Bons hábitos de alimentação e produtos certos fazem parte da receita para ter uma pele lisa e saudável.

 

Você sofre com inflamações e desagradáveis pontinhos pretos no rosto e em outras partes do corpo? A primeira coisa que você precisa saber é que os cravos e espinhas são mais comuns do que parece, especialmente no caso de peles oleosas.

 

A pele pode ficar com excesso de sebo por vários motivos: alterações hormonais, alimentação, estresse, uso de medicações ou algum cosmético, entre outros. Por isso, o primeiro passo para combater o problema é identificar sua causa.

 

Um dermatologista, médico especialista em pele, é a pessoa mais indicada para te  indicar produtos específicos para ajudar a combater as causas da acne e dos cravos, evitando que eles voltem a aparecer. Enquanto você não consulta um especialista, confira essas dicas que valem ouro.

Não esprema

Apesar de ser tentador, não devemos espremer as espinhas e os cravos, especialmente porque podemos piorar a infecção, causar mais inchaço, dor e até mesmo manchas. O ideal é tratar as causas para evitar que eles apareçam.

Beba água

Quando nos hidratamos, também estamos cuidando da nossa pele, que precisa de muita água para se manter saudável. Beber água também ajuda o nosso corpo a eliminar toxinas que favorecem o aparecimento de infecções na pele.

Use protetor solar

Usar proteção contra os raios do sol é essencial para manter todos os tipos de pele saudáveis. Mas, a proteção é ainda mais necessária para quem tem espinhas e cravos, evitando manchas e até ajudando a disfarçar as imperfeições. É importante, no entanto, escolher produtos adequados ao seu tipo de pele.

 

Coma de maneira saudável

Nossos hábitos alimentares influenciam, mais do que pensamos, a saúde da pele. O ideal é evitar alimentos industrializados e gordurosos, que podem contribuir para aumentar a oleosidade, que é justamente a maior causadora das espinhas. Carne vermelha também não deve ser consumida em excesso.

 

Além de evitar alimentos que podem fazer mal, também é uma boa ideia aumentar o consumo daqueles que fazem bem. Prefira carnes brancas, como o peixe, que tem nutrientes que ajudam a pele a combater as infecções. Frutas e legumes ricos em betacaroteno também têm propriedades antioxidantes.

Faça limpeza de pele

As limpezas de pele periódicas ajudam a pele a controlar a produção de sebo, diminuindo a oleosidade. No entanto, as receitas caseiras não são recomendadas, pois podem causar irritações. O ideal é investir em géis e sabonetes testados que sejam indicados para o seu tipo de pele.

Não exagere

É importante verificar o rótulo dos produtos que você utiliza, seguindo as indicações de aplicação. A maioria deles pode ser utilizada diariamente, mas nem sempre é uma boa ideia fazer a limpeza da pele várias vezes ao dia, pois o organismo pode aumentar a produção de sebo para tentar repor a oleosidade.

 

Além disso, fique atento para não misturar produtos demais, pois isso pode acabar obstruindo os poros e aumentando a oleosidade, produzindo um efeito contrário ao que se espera.

Não dispense a hidratação

Nosso primeiro pensamento pode ser o de que peles oleosas não devem ser hidratadas, mas isso não é verdade. A intenção é, justamente, fazer as glândulas que produzem sebo entenderem que não precisam trabalhar tanto. Além disso, alguns produtos podem ressecar a pele se ela não for hidratada. Opte pelos oil free.

Cuide da mente

Essa é a dica mais difícil dessa lista, pois sabemos que a rotina nem sempre é fácil. Acontece que o estresse também pode favorecer o surgimento de cravos e espinhas e, portanto, você também precisa cuidar da sua saúde mental. Fazer exercícios físicos regularmente e praticar yoga ou meditação costumam ajudar.

Por que o bairro de Campo Grande quase virou uma cidade do Rio de Janeiro?

O bairro situado na Zona Oeste carioca é antigo, passando por diferentes processos históricos e econômicos, o que motivou a migração de pessoas para a região e fortaleceu o  crescimento econômico.

 

A capital carioca é uma cidade repleta de lugares incríveis para visitar, como Cristo Redentor, Lapa, Pão de Açúcar, Centro Histórico, Copacabana, Jardim Botânico, Ipanema, Parque da Tijuca e tantos outros.

 

Apesar disso, fora do circuito turístico mais tradicional, existem outros lugares marcantes, como o Campo Grande. Localizado na Zona Oeste da cidade, a 55 km do centro, esse é o bairro mais extenso e populoso tanto do Rio quanto do Brasil, contendo 330 mil habitantes.

 

Por isso, se você já foi algumas vezes para a cidade maravilhosa, mas ainda não conhece Campo Grande, antes de comprar a sua passagem para a rodoviária de Campo Grande, RJ, confira algumas razões que fazem desse bairro quase outra cidade.

História

A região de Campo Grande era habitada por índios Picinguaba. A partir de 1565, esse território começou a integrar a Sesmaria de Irajá e passou por diversos ciclos rurais (como o plantio de cana-de-açúcar, a criação de gado bovino e a produção de laranja) até o comércio local, que é a principal atividade econômica da área.

 

Em 1673, foi criada a Paróquia de Nossa Senhora do Desterro, que é considerada um marco da ocupação da região. Durante todo o século XVIII, o engenho dos jesuítas promoveu a ocupação territorial em Santa Cruz e Campo Grande, cujas terras abrigam as áreas de Bangu e Jacarepaguá atualmente.

 

Do século XVI a meados do XVIII, os jesuítas marcaram forte presença na região, sendo responsáveis por obras importantes de engenharia (como pontes, estradas e canais de captação de água tanto para irrigação quanto para drenagem, sujeitos às enchentes dos rios Itaguaí e Guandu).

 

Mesmo com o crescimento, Campo Grande seguiu tendo um caráter rural. Em 1878, houve a implantação da Estrada de Ferro D. Pedro II, que aumentou o povoamento da área, facilitando o acesso e a urbanização mais intensa do bairro.

 

O ano de 1815 marcou a substituição dos bondes de tração animal pelos elétricos, o que intensificou ainda mais a integração da região com outras áreas urbanizadas. Esse histórico ajuda a compreender a formação de um comércio interno forte em Campo Grande, que continua até os dias atuais.

Quase cidade

Devido à opulência econômica e populacional, em 1968, Francisco Negrão de Lima, o governador do estado da Guanabara, aprovou a Lei 1627/68, que reconheceu Campo Grande como cidade. Apesar disso, essa área segue sendo um bairro até os dias de hoje. Alguns pesquisadores sobre o tema afirmam que a lei “não pegou”, como já ocorreu com outras no país.

Curiosidades

Outro fato curioso sobre Campo Grande é que o bairro já foi conhecido como “Citrolândia”, devido à grande produção de laranjas, inclusive em um momento delicado, como a Segunda Guerra Mundial. Mesmo que, no início do século XX, a economia de Campo Grande fosse marcada pela produção de frutas, chuchu, coco, batata-doce e aipim, a vocação industrial do lugar já começava a despontar.

 

O aumento populacional também se deu a partir da intensa industrialização de Bangu, que impactou bairros vizinhos, como Campo Grande, o que acabou trazendo várias indústrias para lá. Outra marca de Campo Grande é a forte presença de igrejas protestantes, já que a região conta com muitos cristãos reformados.

O que visitar

Embora não seja um dos lugares turísticos mais visitados da capital carioca, Campo Grande possui diversos locais interessantes para conhecer. Esse é o caso do Parque das Nações Indígenas, o Museu Dom Bosco e o Parque dos Poderes — espaço recomendado para quem busca relaxar e ter um contato mais direto com a natureza.

Alongamento: para que serve e 6 exercícios que auxiliam o corpo

Você pratica alongamento com frequência? Quando comparamos o nosso corpo a uma máquina, é possível dizer que assim como uma manutenção é indispensável para mantê-la em funcionamento, investir nos cuidados pessoais diários é fundamental. 

A formação do corpo humano é bastante complexa, e envolve sistemas como o muscular e o ósseo, sem os quais não seria possível manter a postura e o equilíbrio. No entanto, essas áreas não estão blindadas, e precisam ser bem tratadas para estarem sempre em atividade. 

É comum que algumas pessoas acordem com dores nas costas ou que sintam a musculatura mais cansada e dolorida depois de realizar atividades de alto impacto ou com as quais não está acostumado. 

Quem não tem o costume de realizar atividades físicas, como uma caminhada ao ar livre ou o uso de uma esteira para academia, certamente sofre mais com quadros como esses do que quem já possui uma rotina mais ativa. 

Mas, até mesmo as pessoas com um perfil mais atlético podem ser atingidas por dores musculares, e tudo isso se deve, em geral, à falta de exercícios de alongamento. 

Outros quadros como estresse constante, insônia, postura inadequada e longos períodos realizando uma atividade repetitiva também costumam ocasionar dores, que prejudicam a rotina e a qualidade de vida das pessoas. 

Dessa maneira, é preciso ter cuidado, e saber o que pode ser feito não apenas para aliviar esse tipo de sintoma, mas inclusive preveni-los, trazendo maior conforto e bem-estar no dia a dia. 

Nesse caso, a prática do alongamento pode ser um fator importante para contornar a situação, uma vez que ela se trata de um conjunto de exercícios para preservar e aumentar a flexibilidade dos músculos como um todo. 

Portanto, seja para iniciantes ou para atletas, entender a importância, os benefícios e conhecer alguns tipos principais que podem ser colocados em prática na rotina de qualquer pessoa é essencial para melhorar a disposição física.

Sendo assim, se você reconhece que os alongamentos podem mudar o seu dia a dia, mas quer entender mais sobre o assunto e aprender a fazer alguns o quanto antes, siga na leitura deste artigo e amplie os seus conhecimentos sobre o assunto. 

As funcionalidades dos alongamentos

O nosso corpo demanda uma série de cuidados, que vão ser capazes de promover melhorias na saúde e na realização de diversas tarefas diárias. 

Assim, saber o que fazer para mantê-lo sempre bem cuidado é fundamental para estar ativo no cotidiano. 

Nesse sentido, do mesmo modo que quem procura um nutricionista esportivo sabe que o suporte profissional vai ajudar na ingestão de alimentos adequados, quem decide realizar atividades físicas sabe que elas precisam de complementos para serem eficientes. 

Dessa forma, tal como pode ser importante ter um instrutor devidamente formado na área para que se possa atingir os seus objetivos, há outro elemento de peso que ajuda a manter o corpo sempre relaxado e bem disposto: os alongamentos. 

Mas, afinal, o que são eles? Os alongamentos se tratam de exercícios que são feitos com o intuito de aumentar as fibras musculares, oferecendo maior flexibilidade e aperfeiçoamento dos músculos. 

Quem imagina que a simples realização de exercícios físicos já é suficiente para trabalhar os músculos está enganado. Até mesmo porque, alguns tipos de atividades, realizadas com maior ou com menor frequência, podem trazer o encurtamento das fibras dos músculos. 

Dessa maneira, podem ocorrer episódios de dor intensa, que limitam os movimentos do corpo, assim como lesões que acabam por impedir a continuidade das atividades físicas. 

Por isso, quem decidiu se inscrever em uma academia com espaço kids para ter a certeza de criar uma rotina mais ativa, deve investir nos alongamentos em conjunto, conseguindo assim ter flexibilidade, mais resistência a tensões e evitando danos nos músculos.

Os benefícios que a prática de alongamentos pode trazer

Quando se decide mudar alguns hábitos prejudiciais à saúde, é importante buscar meios de conseguir praticá-los, de modo que se possa conquistar os resultados desejados. 

Nesse sentido, tal como seguir um plano alimentar individualizado é um meio de potencializar os efeitos da perda de peso, praticar alongamento é uma maneira de colher benefícios importantes para a saúde. 

Não à toa, eles podem ser essenciais para a vida de pessoas sedentárias, que não buscam uma atividade física, sendo também parte importante da rotina dos atletas, promovendo maior conforto e resistência durante os seus treinamentos. 

É possível montar uma lista de vantagens trazidas pelos alongamentos, sendo elas:

  • Conquista de bem-estar mental e físico;
  • Domínio sobre o próprio corpo;
  • Melhora considerável na postura física;
  • Diminuição de quadros de lesões musculares diversas;
  • Redução da tensão muscular em vários pontos do corpo;
  • Alívio da dor em locais específicos;
  • Diminuição dos riscos de danos na coluna;
  • Menor incidência de cãibras;
  • Redução das dores musculares depois de atividades físicas;
  • Melhora na circulação sanguínea;
  • Maior distribuição de nutrientes no organismo;
  • Produção do hormônio do bem-estar.

Ao conhecer a lista de benefícios, é possível perceber o quanto os alongamentos podem contribuir para o dia a dia das pessoas, trazendo mais disposição e conforto. 

Por isso, assim como pode ser necessário investir na compra de uma cadeira alta para escritório para tornar a jornada de trabalho mais confortável, é fundamental realizar alongamentos para ter maior disposição.

Tipos de exercícios de alongamento para o dia a dia

Depois de entender as vantagens de praticar o alongamento na rotina diária, é importante conhecer alguns tipos de exercícios que podem ser realizados sem dificuldades, e que vão trazer maior bem-estar. Conheça alguns deles a seguir. 

1. Estático

Os exercícios de alongamento mais comuns e simples de serem feitos são os estáticos, ou seja, realizados em repouso. 

Para tanto, é necessário alongar os músculos, mantendo-os “esticados” por, em média, 30 segundos. É importante que eles sejam alongados até o limite da sensação de conforto, para não exagerar ou causar problemas. 

2. Dinâmico

Os alongamentos dinâmicos são realizados com o auxílio de impulsos do corpo, sendo indicados, em sua maioria, para ajudar na realização de saltos, corridas e outros tipos de atividades que exijam movimentos amplos, como em uma aula funcional em dupla

Tal como no caso dos estáticos, não é necessário esticar os músculos até sentir dor, mas sim, até o momento em que eles deixam de ser confortáveis. 

3. Ativo

No caso do alongamento ativo, a instrução pode ser um pouco mais técnica do que o comum. Ele funciona como um alongamento estático, no qual se deve atingir o limite do movimento voluntário. 

Nesse exercício, usa-se a força dos músculos chamados de agonistas, como o bíceps braquial, e o relaxamento dos chamados antagonistas, como o tríceps braquial.

4. Passivo

Os alongamentos passivos são aqueles realizados com o auxílio de forças externas ou de objetos próprios para esse tipo de atividade. 

Alguns exemplos são a gravidade, pesos, elásticos ou outros tipos de recursos. Assim como em uma terapia manual, pode-se contar com o auxílio de outra pessoa para o alongamento passivo. 

5. Balístico

No alongamento balístico é possível verificar semelhanças com os dinâmicos, com a diferença de que eles forçam mais os limites musculares, sendo colocado em prática com movimentos rápidos e saltos. 

Assim, ele utiliza as contrações musculares para estender a musculatura, graças ao auxílio de movimentos pendulares contínuos. 

6. Isométrico

Por fim, o isométrico é o alongamento em que os músculos fazem a força contrária ao estiramento. Nesse caso, ele acaba exigindo mais da musculatura alongada. 

Em resumo, ele assume o posicionamento do alongamento passivo, contrai o músculo alongado de forma a manter essa contração por poucos segundos e depois ocorre o relaxamento. 

Dada a sua forma de realização, ele é um dos mais seguros para potencializar os movimentos articulares, sendo de grande importância para os atletas. 

Para ajudar os alunos na realização desse tipo de exercício, é comum que as academias disponibilizem um banner informativo com a ilustração dos movimentos, para que eles possam ser feitos do modo correto. 

Ao mesmo tempo, é possível encontrar vídeos e materiais na internet sobre alongamento, de maneira que não há desculpas para não praticá-los com frequência e constância. 

Considerações finais

As atividades físicas são importantes para a vida de qualquer pessoa, independentemente do porte físico, dos hábitos e dos objetivos que se quer alcançar. 

Sendo assim, começar uma rotina mais ativa é fundamental, mas ela deve estar alinhada aos exercícios de alongamento, que vão fazer toda a diferença no dia a dia, mesmo para quem ainda possui costumes sedentários. 

Dessa forma, ter a certeza de começar os alongamentos e de praticá-los com frequência é um meio de desfrutar de maior bem-estar e qualidade de vida. 

Por isso, não deixe de seguir as dicas presentes neste conteúdo e tenha mais força e flexibilidade para enfrentar as mais diversas situações da sua rotina. 

Saiba o que é um fisioterapeuta, qual a formação para atuar?

Um fisioterapeuta trabalha com seus pacientes para melhorar os movimentos, reduzir a dor ou aumentar a tolerância ao exercitar-se. Isso os auxilia a melhorar sua capacidade e mobilidade em face a uma série de condições médicas.

Os fisioterapeutas utilizam vários tratamentos e técnicas, como a manipulação física, massagens, exercícios terapêuticos, ultrassons, acupuntura, hidroterapia, aconselhamento e educação para ajudar seus pacientes.

Seguir essa carreira envolve uma sequência de situações, desde ajudar os pacientes com problemas na coluna ou articulações, recuperação de acidentes, lesões esportivas ou derrames, trabalhar com crianças que possuem deficiência mental ou física e orientar os mais velhos com algum problema físico, os tornando mais móveis. 

Quais são as qualificações pessoais de um fisioterapeuta?

Para se tornar um fisioterapeuta credenciado, é necessário obter um diploma em fisioterapia de bacharelado, e uma especialização no segmento desejado de atuação. Certifique-se que a sua faculdade ou universidade possuam certificados para que você possa ser elegível a exercer a profissão de fisioterapeuta. 

Existem vários caminhos para se tornar um fisioterapeuta, mas uma das principais áreas de conhecimento é a ciências biológicas. E, contanto que você tenha as qualificações adequadas e necessárias na área, pode ingressar nesse curso. Em algumas instituições de ensino, o curso para se tornar um fisioterapeuta é em tempo integral. A sua duração é de 4 a 5 anos. 

Quais são as habilidades vitais dos fisioterapeutas?

Para seguir na área de fisioterapia, os profissionais devem possuir algumas habilidades vitais dentro da função. São elas: 

  • Habilidade de comunicação
  • Trabalho em equipe
  • Habilidades interpessoais
  • Organização
  • Paciência
  • Sensibilidade
  • Ter boa saúde física
  • Saber gerenciar o tempo

O que envolve um curso de fisioterapia?

Para conseguir alcançar sucesso como um profissional de fisioterapia, é necessário se preocupar com a saúde física e o bem-estar dos pacientes. Os alunos do curso de fisioterapia devem buscar melhorar a qualidade de vida das pessoas, sendo esses os requisitos básicos para seguir essa área. Mesmo que alguns cursos tenham abordagens diferentes em suas grades, eles normalmente cobrem as seguintes áreas: 

  • Anatomia
  • Fisiologia
  • Cardiorrespiratório
  • Fisiopatologia
  • Psicologia da Saúde
  • Ortopedia
  • Terapia Musculoesquelética
  • Terapia Neurológica

Além desses módulos principais, os alunos provavelmente vão se concentrar no desenvolvimento de habilidades de pesquisa independente. Obter esses conhecimentos são essenciais para progredir no mestrado do curso de fisioterapia. 

Algumas instituições também oferecem aos seus graduandos oportunidades de estágios em hospitais, clínicas de reabilitação ou residências. Isso permite obter uma experiência prática e real, permitindo que os alunos ganhem experiência prática relevante. 

O que esperar da experiência do trabalho?

Os estudantes do curso de fisioterapia precisam concluir com êxito todas as grades e estágios da instituição em que estão estudando. As habilidades do estágio são, normalmente, adquiridas em um ambiente de saúde pública sob a orientação de outros médicos qualificados.

Mas também é útil obter alguma experiência de trabalho adicional em algumas funções de apoio em clínicas privadas, como voluntário ou em uma autoridade local. Os graduandos dessa área podem encontrar novas oportunidades em hospitais, práticas de fisioterapia, clínicas esportivas, clubes de futebol, escolas especiais e lares de idosos.

Também é possível obter experiência profissional exercendo seus serviços como voluntário em instituições de caridade. As oportunidades pagas incluem ajudar outras pessoas, trabalhando como assistente de cuidados em hospitais e nas casas dos clientes. É possível ajudá-los a desenvolver essas habilidades e evidenciar os valores essenciais da fisioterapia. 

Quais habilidades são necessárias em meu currículo?

Um fisioterapeuta desenvolverá uma série de habilidades específicas em sua profissão, como: 

  • Compreender quais são os tipos de exercícios e movimentos usados para ajudar a melhorar a mobilidade e a função dos pacientes.
  • Conhecimento de como realizar a terapia manual com segurança.
  • Essa capacidade de mobilidade, seja ela eletro-físicas ou outras abordagens físicas, ajudam a melhorar as práticas perplexas com cuidado. 

Mas os profissionais também vão desenvolver uma série de outras habilidades, as quais são bastante valorizadas nessa área, incluindo: 

  • Gerenciamento eficaz de sua jornada de trabalho e tempo pessoal.
  • Capacidade para trabalhar em equipe.
  • Habilidades para tomar decisões importantes.
  • Abordagem para resolver problemas do trabalho.
  • Habilidades de comunicação, tanto oral quanto escrita, para trabalhar com pacientes e com a equipe de trabalho. 
  • Pesquisa e redação de relatórios.
  • Capacidade de analisar os resultados de pesquisa e refletir sobre a prática. 

Quanto ganham os fisioterapeutas?

Os estagiários do curso de fisioterapia recebem, em torno, R$650 ao mês. Já um profissional inicial pode receber até R$2.100. Os fisioterapeutas da Dermato Funcional recebem R$2.107. Enquanto que um profissional dessa área no setor de Trabalho ganha até R$2.600. 

Um esportivo pode receber até R$1.770, um Home Care R$1.840, Neurofuncional R$ 1.300, RPG R$1.100 e um Respiratório pode ganhar até R$2.300. Essas são as médias salariais dos profissionais desse setor. Mas para um profissional com mais de 8 anos de experiência, o salário chega até R$5.000. 

No entanto, é importante ressaltar que os valores citados foram extraídos baseados em uma média divulgada em sites oficiais, mas que é passível de variações dependendo de região. 

Quiropraxia: principais benefícios para seu bem estar

A quiropraxia vem ganhando cada vez mais popularidade, principalmente por conta das constantes dores musculares e nas costas que vivemos sofrendo. Hoje em dia, quase 90% da população tem alguma dor lombar, seja por má postura ou outros fatores.

Mas a boa notícia é que a quiropraxia pode ajudar muito no tratamento contra esses incômodos – e o melhor: trazer muitas vantagens para a saúde.

Por isso, o artigo de hoje vai mostrar os principais benefícios da quiropraxia para seu bem-estar. Quer conhecer mais sobre essa técnica? Então, continue a leitura!

Mas afinal de contas, o que é quiropraxia?

A quiropraxia é uma especialidade da área da saúde que tem como foco o tratamento da coluna vertebral. A prática é conhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), sendo usada para tratar problemas relacionados às articulações, músculos, ossos, tendões e ligamentos.

Ou seja, a quiropraxia atua nos distúrbios biomecânicos do corpo humano, sendo uma vertente alternativa da medicina.

Importante ressaltar que essa técnica não é a mesma do pilates solo, embora ambas atuem no tratamento da dor muscular. 

Na quiropraxia, busca-se melhorar os sintomas e distúrbios, através de orientações sobre mudanças de hábitos, reorganização da postura, realização de exercícios e, principalmente, execução de manobras precisas, que restauram as articulações do corpo.

Os tratamentos são reconhecidos pela Associação Brasileira de Quiropraxia. Inclusive, para se tornar um profissional quiropraxista, é necessário realizar cursos específicos na área, ou até mesmo uma graduação.

Antes de iniciar o acompanhamento com quiropraxista, recomenda-se realizar um check up geral da sua saúde, para avaliar se o tratamento não deve ser combinado com outras metodologias e se é aconselhável a quiropraxia.

Quando a quiropraxia surgiu?

A quiropraxia é uma prática bastante antiga, realizada há milhares de anos antes de Cristo. Alguns registros mostram que os chineses e os gregos realizavam manobras bastante similares, com foco na coluna vertebral.

Contudo, a quiropraxia tem o seu primeiro registro formal em meados de 1900, com o protagonismo de Daniel David Palmer, nos Estados Unidos.

Conta-se que o Dr. Palmer atendeu uma pessoa que alegou ter perdido a audição após ter sentido um estalo nas costas. Quando o médico manipulou a área atingida e fez exames complementares, o paciente voltou a ouvir.

Assim, Palmer passou a procurar outras similaridades e conseguiu estabelecer diversas ligações entre a saúde do organismo, com o alinhamento das vértebras.

Hoje, sabe-se que até para praticar um exercício simples na esteira para academia é necessário manter uma boa postura, como forma de evitar problemas musculares, fadiga, entre outras situações incômodas de saúde.

O que a quiropraxia trata?

O foco da quiropraxia é a coluna vertebral e o desalinhamento das vértebras, uma condição que pode ser causada por muitos fatores, como:

  • Má postura;
  • Passar muito tempo sentado ou em pé;
  • Ansiedade ou estresse;
  • Traumas;
  • Entre outros.

Além disso, alguns problemas podem estar relacionados, como dores no ciático, pelve, lombar, quadril, ombros e braços. Ou seja, há muitas condições que estão ligadas ao sistema neuro-músculo-esquelético da coluna vertebral.

A seguir, saiba quais dores são tratáveis por um quiropraxista.

Pescoço, lombar e cabeça

As dores no pescoço, lombar e na cabeça podem acometer muitas pessoas, causando grande queda na qualidade de vida, bem como na produtividade.

Mas a quiropraxia pode ser uma grande aliada no tratamento dos desconfortos, pois ela atenua consideravelmente os sintomas e, em alguns casos, pode até eliminá-los.

Recomenda-se que em conjunto com a quiropraxia, o paciente também busque mudar alguns hábitos, como adquirir uma cadeira alta para escritório, para manter a boa postura e ergonomia.

Tensões musculares

As tensões musculares são muito comuns, mas causam muitas dores e desconfortos no dia a dia. 

Com a quiropraxia, é possível aliviar esse problema, por meio do equilíbrio do organismo e técnicas de relaxamento dos músculos.

Lesões ou traumas

Pessoas que sofreram algum tipo de acidente, ou atletas com lesões também podem se beneficiar da quiropraxia. Isso porque o método é pouco invasivo e de baixo impacto, não trazendo riscos significativos aos pacientes.

Porém, recomenda-se sempre trabalhar em conjunto com outros profissionais, como os fisioterapeutas, nutricionista esportivo, entre outros.

Problemas locomotores

A quiropraxia aparece mais uma vez como uma grande aliada da fisioterapia. A prática é capaz de fortalecer a coluna vertebral e o sistema nervoso, para que os músculos sejam capazes de realizar diversos tipos de movimentos.

Aos poucos, é possível devolver a mobilidade ao paciente.

Hérnia de disco

A hérnia de disco causa bastante dor ou desconforto. Inclusive, muitas pessoas são submetidas à cirurgia para corrigir o problema.

Porém, nem sempre os pacientes desejam passar por um procedimento invasivo. Fora que há casos em que a cirurgia não é recomendada, pois o paciente pode apresentar melhoras a partir de tratamentos alternativos.

Fibromialgia

A fibromialgia é uma doença que causa dores intensas em todo o corpo, mas que infelizmente não tem cura. Sendo assim, apostar na quiropraxia é uma forma de reduzir os sintomas e melhorar a qualidade de vida.

Também vale a pena procurar exercícios físicos adaptados, como uma aula funcional em dupla, para melhores resultados.

Problemas de postura

Os problemas de postura são muito recorrentes, ainda mais com o trabalho cada vez mais intenso nos escritórios. Além disso, constantemente nos posicionamos errado em várias tarefas cotidianas.

Diante disso, a quiropraxia pode auxiliar na reeducação postural, reduzindo as dores musculares e outros problemas relacionados a esse hábito.

Quais são as principais vantagens da quiropraxia?

Como vimos, a quiropraxia pode contribuir com o tratamento de vários problemas, além de ser uma grande aliada em outros acompanhamentos.

Dependendo do seu objetivo, a técnica pode ser trabalhada em conjunto com fisioterapeutas, nutricionistas e até para complementar um plano alimentar para emagrecer.

Mas as vantagens vão muito além de amenizar as dores do corpo. Abaixo, conheça os principais benefícios da quiropraxia!

Rapidez nos resultados

Uma das grandes vantagens dessa técnica é que os resultados de tratamento são rápidos.

Importante ressaltar que o tratamento é a longo prazo, mas muitos efeitos podem ser sentidos logo após as primeiras sessões. Por isso, a quiropraxia é muito procurada para quem tem demandas urgentes.

Tratamento não invasivo e seguro

Outro benefício dessa prática é a possibilidade de ser realizada por qualquer pessoa, sem contraindicações. Ou seja, a quiropraxia é muito segura e pouco invasiva, feita apenas com as mãos e algumas ferramentas.

Inclusive, para quem quer se tornar um quiropraxista, além do curso ou graduação, outro investimento é o aluguel de espaço comercial. Quer dizer, é uma ótima opção para quem deseja abrir um negócio, mas não dispõe de grandes quantias para investir.

Alívio de dores

É comum termos dores em nosso dia a dia, mas é possível aliviá-las rapidamente com a quiropraxia. Desse modo, sua qualidade de vida irá aumentar com a ausência dos desconfortos diários.

Contribui com a saúde mental

Engana-se quem pensa que a quiropraxia está somente relacionada ao aspecto físico.

Ao contrário do que parece, o alinhamento da coluna vertebral e de outras estruturas do corpo beneficiam potencialmente a saúde mental, com o equilíbrio do corpo e mente.

Por esse motivo, a quiropraxia também é recomendada para quem sofre com o estresse, ansiedade e depressão.

Diminui os problemas articulares

Os problemas articulares e nos tendões, como a tendinite, podem reduzir a nossa produtividade, além de causar intenso desconforto.

Com a quiropraxia, é possível ter um alívio dos sintomas e, dessa forma, ter um melhor desempenho profissional e acadêmico.

Melhora a postura

Por fim, a quiropraxia também é uma grande aliada na correção dos péssimos hábitos posturais que adquirimos. Com ela, é possível entender como adotar a melhor postura para não sobrecarregar as estruturas fundamentais do corpo, especialmente os nervos.

Através de exercícios de alinhamento e fortalecimento dos pontos essenciais da coluna, é possível ter uma significativa melhora na qualidade de vida e aproveitar mais tranquilamente os momentos do dia a dia.

Conclusão

Apesar de ser uma prática muito antiga, a quiropraxia está ganhando reconhecimento recentemente, devido ao aumento das dores musculares, muitas vezes ocasionadas pelos maus hábitos de postura e o trabalho incansável nos escritórios.

Mais do que uma técnica para redução de sintomas, a quiropraxia traz diversas vantagens para o corpo e mente, contribuindo com o bem-estar de seus pacientes, aumentando a produtividade e até colaborando com o tratamento de doenças.

O artigo de hoje buscou falar um pouco mais sobre essa prática milenar e mostrar quais são os benefícios que ela pode trazer para você. Dessa forma, caso sofra com dores musculares, essa pode ser a melhor hora para procurar um quiropraxista.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

5 dicas de como melhorar a postura

Cuidar do corpo e da saúde como um todo é uma necessidade de todas as pessoas, para que possam se manter mais ativas e aumentar o seu bem-estar. Mas um ponto que é constantemente esquecido é o cuidado com a postura.

Em geral, quando se vê uma pessoa tentando manter as costas sempre retas e alinhadas, pode parecer engraçado. No entanto, esse cuidado certamente vai trazer diversas vantagens para ela. 

Para entender melhor, basta verificar como você está sentado agora. Sua postura está reta ou curvada? Seu pescoço está alinhado? Essas características vão te ajudar a entender que você pode estar comprometendo a sua saúde futuramente. 

É muito comum ouvir dizer que alguém está com dor nas costas, e há vários motivos para isso. Em uma avaliação médica, certamente o paciente será encaminhado para uma atividade física, que pode ser um pilates para coluna ou mesmo para a fisioterapia. 

Tudo isso pode ser diretamente benéfico para a rotina de qualquer pessoa, que passará a desfrutar de uma maior qualidade de vida e até mesmo a ter muito mais disposição para as suas atividades diárias. 

Ao mesmo tempo, é possível evitar possíveis traumas para a coluna, que poderão ter um agravamento com o passar dos anos. 

Para isso, alguns cuidados simples que podem ser implementados no dia a dia fazem toda a diferença para a sua saúde. Quer saber quais são eles? Então, siga na leitura deste conteúdo e conheça dicas importantes sobre o tema. 

Os sinais de que há algo errado com a sua coluna

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), 80% da população mundial sente ou já sentiu dores nas costas. O problema se dá, na grande maioria dos casos, devido a erros na postura nas mais diversas situações. 

Para se ter uma ideia, existem diversos tipos de patologias que trazem esse incômodo, sendo alguns deles:

  • Hérnia de Disco;
  • Lombalgia;
  • Artrose;
  • Escoliose;
  • Osteoporose.

A hérnia de disco costuma causar, além de dor, formigamento, queimação e fraqueza nos membros. Por isso, é um quadro que depende de fisioterapia para ser tratado. Casos mais graves podem indicar a necessidade de cirurgia. 

A lombalgia é o quadro mais comum de dor nas costas, que pode trazer como consequência a dor ciática. 

Ela pode ser vista em pessoas com excesso de peso, que devem procurar por um nutricionista esportivo para encontrar uma dieta adequada, assim como por quem não toma cuidado com a postura, ou mesmo após carregar objetos pesados. 

A artrose, mesmo que seja conhecida por ser uma doença presente em pessoas com mais idade, também afeta os jovens. Pode ser causada por acidentes, excesso de atividade física ou fatores genéticos. 

O quadro de escoliose é aquele no qual há um desvio da coluna, muito comum em adolescentes e jovens de várias idades. Para o tratamento, é indispensável a correção da postura, fisioterapia, uso de coletes e, em casos mais sérios, a realização de cirurgia.

Enquanto isso, a osteoporose causa dores na coluna quando há uma fraqueza nos ossos, e é mais frequente em pessoas com mais de 50 anos. Além do acompanhamento médico, ela depende de medicação, exercícios e uma boa postura para apresentar melhoras. 

Geralmente, é com o auxílio de um check up geral, no qual se realizam exames de raio-x, que essas doenças podem ser detectadas e, com isso, encaminhadas para a forma de tratamento mais conveniente. 

A importância de corrigir a postura

Muito já se ouviu que “é melhor prevenir do que remediar”, não é verdade? Essa expressão também se aplica para quem acaba deixando de lado os cuidados com a coluna. 

Os tratamentos para diferentes problemas na região costumam ser longos e exigir um grande empenho do paciente. Além disso, seguir fielmente a recomendação médica é essencial para que se tenha maior qualidade de vida. 

Tomar medidas para manter a coluna sempre alinhada é indispensável. Por isso, não deixe de prestar atenção com frequência sobre como estão os seus ombros, a sua cabeça, o seu pescoço e as suas costas, evitando sobrecarga em qualquer uma dessas regiões. 

Cuidar da sua postura traz efeitos no curto e no longo prazo. Sendo assim, após visualizar um banner informativo com as principais ações que você pode tomar, não deixe de aplicá-las no seu cotidiano para ter maior conforto e disposição.

Como melhorar a sua postura

Há alguns cuidados que podem ser tomados no dia a dia e que visam diminuir os problemas causados pela postura inadequada, seja durante os períodos de trabalho ou mesmo de descanso. 

Assim, é importante seguir algumas dessas recomendações para diminuir a pressão causada pela falta de alinhamento das costas, conseguindo assim desfrutar de maior bem-estar no dia a dia. 

1. Tome cuidado com a postura

O primeiro e principal deles é, sem dúvida, manter a postura sempre adequada. Para quem passa grande parte do dia sentado no trabalho, o ideal é escolher uma cadeira alta para escritório, na qual seja possível manter os pés no chão. 

Além disso, é importante que a coluna esteja totalmente apoiada no encosto da cadeira, evitando que o peso corporal cause pressão nos discos presentes na estrutura do corpo. 

O importante é evitar que as costas fiquem curvadas, sendo esse o problema que interfere mais diretamente nas dores sentidas por pessoas de diferentes perfis corporais. 

2. Pratique exercícios físicos

A importância de praticar exercícios físicos já é conhecida por vários motivos. Assim, utilizar a esteira para academia, fazer musculação e alguns tipos de atividades aeróbicas não só ajuda a controlar o peso como também a manter a musculatura sempre fortalecida. 

Os alongamentos também devem fazer parte da rotina de exercícios, e podem ser feitos em diversos momentos do dia. Sendo assim, fazer pausas no trabalho para alongar o corpo é essencial para diminuir a tensão muscular e garantir que ele não fique sobrecarregado. 

Para quem tem dificuldades em ir para a academia, a sugestão é encontrar um parceiro que também precise se cuidar, aproveitando a ida ao estabelecimento para fazer uma aula funcional em dupla e poder conversar durante as diferentes etapas de exercícios. 

3. Cuide da hora do sono

O momento de dormir e descansar também possui relevância na melhoria da postura. Sendo assim, é fundamental tomar alguns cuidados para ter uma noite de sono reparadora. 

Um dos elementos mais importantes para evitar problemas nas costas é escolher a altura adequada do travesseiro. Ele deve estar devidamente alinhado com a coluna, para não forçar nenhuma das vértebras. 

Isso é importante para quem dorme de barriga para cima, de costas ou de lado. Para quem prefere esta última posição, uma sugestão prática e benéfica é posicionar um travesseiro entre os joelhos, aliviando o peso e a tensão em diferentes partes do corpo. 

O colchão também pode interferir na qualidade do sono. Por isso, não deixe de trocá-lo sempre que necessário, garantindo a firmeza da superfície ideal para as suas costas. 

4. Use cintas ou coletes

Muitas pessoas que passam por um tratamento para diminuir a dor nas costas e para cuidar de um quadro de saúde podem receber como indicação médica o uso de cintas ou de coletes que ajudam a manter a postura reta. 

Mas mesmo quem ainda não teve um diagnóstico e reconhece que esse é um cuidado necessário, pode encontrar no uso desses itens uma solução para que a sua coluna esteja sempre bem alinhada, ajudando no dia a dia. 

5. Evite carregar peso em excesso

Quem nunca teve que carregar um peso extra e depois foi surpreendido por uma intensa dor nas costas? Justamente por isso, é fundamental evitar esse tipo de situação. 

É verdade que as pessoas que fazem exercícios na academia conseguem trabalhar melhor a sua musculatura, e que por isso possuem maior capacidade de pegar peso sem sofrer lesões ou dores. 

Por isso, começar a se movimentar é essencial. Portanto, invista em atividades como uma aula de fitdance para iniciantes e vá aumentando a quantidade e a frequência aos poucos, sempre com a devida indicação de um profissional da área. 

Desse modo, você consegue trabalhar bem o seu corpo para não ter mais problemas ao carregar peso em alguma ocasião necessária. 

Considerações finais

Cuidar da postura é importante para prevenir desconfortos e dores frequentes, que podem trazer até mesmo limitações de deslocamento para diversas pessoas. 

Nesse sentido, nada mais necessário do que investir em ações preventivas, sendo a principal delas a correção da postura corporal nas mais diversas situações do cotidiano. 

Dessa forma, é possível ter maior qualidade de vida e evitar quadros de saúde que vão surgindo com o passar dos anos, e que podem ter um tratamento prolongado para serem realmente eficazes. 

Sendo assim, não deixe de seguir as dicas mencionadas neste conteúdo, e consiga desfrutar de uma rotina mais leve e livre de dores nas costas. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Quais suplementos usar para potencializar a fisioterapia

Quais suplementos usar para potencializar a fisioterapia?

Os suplementos têm um enorme potencial para ajudar na reabilitação do paciente. A própria Sociedade Americana de Fisioterapia recomenda aos profissionais de fisioterapia que compreendam pelo menos o básico sobre nutrição, pois, de fato, ela condiciona a saúde do paciente.

No entanto, devemos alertar que essa área ainda pertence aos nutrólogos. Ou seja, as informações deste artigo servem para apontar alguns suplementos que podem potencializar a fisioterapia, mas não é uma recomendação em si.

É importante que um acompanhamento seja feito com profissionais da área. Cada pessoa possui características específicas, seja de alimentação ou necessidade de nutrientes, e isso deve ser levado em conta.

Vamos a uma pequena lista de suplementos que podem ajudar na fisioterapia.

Suplementos multivitamínicos

Uma dieta balanceada é a chave para uma saúde de ferro. Porém, nem sempre conseguimos consumir todos os nutrientes de que precisamos. É aí que os multivitamínicos entram em ação.

Os médicos consideram os multivitamínicos como um “convênio médico” particular. A razão disso é que, ao atuar suprindo as necessidades vitamínicas de nosso organismo — principalmente as vitaminas que faltam na dieta —, todos os processos em nosso organismo funcionam certinho, impedindo o surgimento de doenças.

Já no que tange à fisioterapia, os suplementos multivitamínicos, ao consertarem os problemas de nossa alimentação, permitem uma recuperação mais rápida e eficaz.

Como ficou claro, o importante é que sua dieta seja balanceada e englobe todas as necessidades de seu corpo. Assim, por si só, o organismo vai poder reagir a qualquer problema. Isso significa impedir doenças e, claro, potencializar a fisioterapia.

Ômega-3

O ômega-3 é comprovadamente um ótimo coadjuvante para manter sua saúde. O ideal é consumir o ômega-3 encontrado em óleo de peixe, principalmente os de água profunda.

Em resumo, ele atua na prevenção de problemas cardíacos, mantém as articulações saudáveis, é um anti-inflamatório poderoso e até contribui para um fluxo sanguíneo benéfico em regiões lesionadas do corpo.

Embora também possamos encontrar ômega-3 no óleo de linhaça, o recomendado é utilizar o que provém do óleo de peixe. A razão disso está na composição que cada uma apresenta. Enquanto o óleo de peixe possui EPA e DHA, o óleo de linhaça possui apenas ALA.

Dessa forma, o óleo de peixe apresenta muito mais potencial quando o assunto é se livrar dos problemas do organismo. No entanto, o óleo de linhaça também é poderoso para manter a saúde, mas acaba ficando em segundo lugar.

Creatina

A creatina faz parte dos suplementos de uso comum para a maioria dos atletas. Aliás, ela está diretamente associada aos bodybuilder, pois é um composto que ajuda bastante no ganho de massa muscular.

No entanto, não é só disso que a creatina é capaz: alguns estudos mostraram que ela pode ajudar até mesmo pacientes com doenças neurodegenerativas. Além disso, existem vários tipos de creatina no mercado, mas a mais indicada é a monohidratada.

Um dos efeitos mais desejados da creatina é justamente o ganho de massa e força nos pacientes. Dessa forma, as seções de fisioterapia se tornam mais fáceis de serem realizadas, o que contribui muito na reabilitação da lesão.

Além disso, a redução do estresse oxidativo, somada ao aumento da performance aeróbica, fazem com que a creatina seja uma ótima aliada na recuperação do paciente.

Mesmo com tantos benefícios, é importante ficar atento aos possíveis efeitos negativos. Doses elevadas ou uso prolongado podem ser maléficos ao organismo. O recomendado é usar esse suplemento com acompanhamento médico.

Suplementos de Vitamina C

A Vitamina C é bastante conhecida pelo seu poder de espantar gripes e resfriados. Além disso, ela é facilmente encontrada em várias frutas cítricas, e a principal delas — a ponto de ser seu símbolo — é a laranja.

Embora sua atuação no sistema imune seja algo notável, ela também é benéfica em diversas outras ocasiões. Um desses benefícios é justamente sua capacidade de reparar tecidos e favorecer sua recuperação.

Além disso, ela ajuda a tornar nosso organismo bastante resistente a qualquer tipo de injúria, seja ela física ou mental. Portanto, é importante consumir regularmente essa vitamina, estando ou não fazendo fisioterapia.

Probióticos

Alguns estudos recentes apresentaram um fato bastante interessante: a saúde intestinal possui um enorme efeito sobre nosso organismo. Cerca de 80% das células imunológicas estão no intestino. Nesse sentido, é bastante recomendado adicionar probióticos em sua dieta diária.

Os suplementos probióticos, além de impedir desordens intestinais, também ajudam na produção de algumas vitaminas. Além disso, são ótimos para absorver minerais, extrair nutrientes dos alimentos e até atuar nos neurotransmissores.

Assim, seja direta ou indiretamente, os probióticos com certeza vão auxiliar na fisioterapia.

Proteínas

Por fim, temos os suplementos de proteínas como ótimos aliados na recuperação de lesões e, claro, como auxiliar da fisioterapia.

A principal atuação das proteínas é justamente tornar os músculos mais fortes e saudáveis, o que facilita a execução de exercícios. O mais recomendado são os Whey Protein Isolados devido à alta concentração de proteínas em sua composição.

Com o auxílio desses suplementos, com certeza você terá uma recuperação muito mais rápida!

Mulher aplicando spray na perna.

Como prevenir as lesões na musculação e no esporte?

Muitas pessoas só recorrem a musculação para fortalecer e tornear os músculos, mas essa prática ajuda em diversos outros aspectos. O que poucos sabem é que essa prática ajuda na prevenção de lesões e no tratamento das mesmas.

Mesmo com a rivalidade estipulada de fisioterapia e musculação, é cada vez mais comum vermos fisioterapeutas atuando em academias e espaços de musculação.

Existem vários tipos de lesões que possuem uma variedade de causas. As lesões podem ter incidência nos tendões, articulações, ossos, ligamentos e nos músculos.

São comumente causadas por acidentes cotidianos e pela prática esportiva, por meio de uma atrofia, encurtamento, exagero de peso, prática excessiva e desequilíbrio muscular, que pode encadear em quedas, na perda de dentes e assim, na adesão do implante dentário.

Como dito, as lesões possuem diversos tipos, esse fato faz com que seja difícil estipular uma ação preventiva exata. Contudo, o fortalecimento do corpo e o ganho de maior resistência ajuda a evitar essas ocorrências, uma vez que o corpo consegue suportar baques e quedas de maior intensidade e ganha um maior equilíbrio e preparativo.

Prevenção de lesão na musculação

Pessoas que possuem os músculos dorsais e abdominais sem força, são as mais suscetíveis para sofrerem uma lesão na região das costas ou uma irregularidade na coluna, complicações que podem se agravar e desencadearem problemas como hérnia de disco e artrose.

Na idade avançada, lesões causadas pela osteoporose, redução de equilíbrio, e atrofia muscular são casos ainda mais comuns, assim, a musculação atuaria na ajuda, além do fortalecimento dos músculos, no ganho de maior flexibilidade e de massa óssea.

  • É através de exercícios que promovem a força e resistência que conseguimos adquirir tais efeitos.
  • É por meio da musculação que se consegue desenvolver a noção de certas movimentações cotidianas, que quando executadas podem encadear em lesões, como o ato de agachar e carregar peso.
  • É somente se preparando, concertando a postura e evitando certas posições que prevenimos com eficiência tais lesões. A prevenção de lesões na musculação é semelhante à do esporte, veja:

Prevenção de lesão no esporte

Em certos esportes e algumas atuações profissionais, alguns músculos são especificamente mais utilizados do que os demais, fazendo, com a prática demasiada, que haja a sua exaustão e o desequilíbrio muscular, que pode levar as lesões.

Qualquer seja a atividade física que necessite de um impacto; tênis, basquete ou futebol, a única prevenção possível para evitar danos causados pelo impacto é um músculo bem desenvolvido e fortalecido no momento.

Caso esteja no início da prática procure por um acompanhamento de um personal trainer, ao mesmo tempo que a prática de esporte e da musculação podem prevenir lesões elas também podem as motivar caso não haja a sua execução correta, ou até mesmo procure um ortopedista especialista que irá lhe auxiliar o que melhor convém para suas atividades físicas.

Lembre-se que para uma boa prática outros fatores são importantes, como uma boa alimentação e hidratação, que também são necessários para a boa condição corporal e essenciais para sua manutenção e para a prevenção de problemas internos e externos.

7 benefícios para criar um blog de fisioterapia

Muitas pessoas confundem blog com site, mas eles são diferentes em seu conceito, principalmente, no que diz respeito ao …

Óleos essenciais: confira 7 benefícios

Um prontuário médico digital pode encaminhar o paciente para os mais diversos tipos de tratamentos. 

4 benefícios do pilates para idosos

A prática de pilates para idosos pode ser uma ótima indicação, tendo em vista que a atividade é uma das que melhor se …