Categoria: <span>Fisioterapia</span>

A história do ar-condicionado

Saiba como este aparelho foi criado, tornando-se um dos queridinhos dos brasileiros.

 

Ele divide opiniões: tem gente que não vive sem, enquanto outros reclamam cada vez que ele é ligado. Trata-se do aparelho de ar-condicionado, eletrônico que deixou de marcar presença apenas no ambiente corporativo, indo parar nos lares de muitos brasileiros.

 

O ar-condicionado moderno conta com diversos recursos bacanas para poupar energia, como um termostato inteligente, que desliga o aparelho ao atingir certa temperatura, além de filtros tratados com substâncias antibactericidas, a fim de evitar a propagação de micro-organismos nocivos para a saúde.

 

No entanto, você sabe como esse aparelho surgiu? Confira um pouco da história do ar-condicionado a seguir.

Controle do clima

O aparelho de ar-condicionado foi inventado pelo engenheiro norte-americano Willis Carrier, em 1902, nos Estados Unidos. Aos 25 anos, Carrier desenvolveu uma forma de retirar a umidade do ar por meio de dutos resfriados para resolver o controle do clima em empresas de Nova Iorque.

 

O nome surgiu quatro anos depois, quando outro norte-americano, Stuart Cramer, desenvolveu um modelo de equipamento para climatizar sua fábrica de tecidos.

Popularização

No início, os consumidores e os inventores não entendiam bem como explorar o potencial dos equipamentos de climatização. O primeiro ar-condicionado foi instalado em uma residência em 1914, em uma mansão de Minneapolis. Foi na mesma época que os hospitais começaram a demandar aparelhos para manter a estabilidade climática em suas instalações.

 

A partir da década de 1920, locais de atendimento ao público passaram a climatizar os ambientes e, dessa forma, viram o movimento da clientela aumentar. O Grauman’s Metropolitan Theatre, de Los Angeles, era um desses estabelecimentos.

Nos dias quentes de verão, o cinema esvaziava e precisava fechar as salas. Ao instalar o aparelho de ar-condicionado, conseguiu o efeito inverso: salas lotadas e fila de clientes ávidos por provar o ar gelado do equipamento eletrônico.

 

Curiosamente, os primeiros modelos de ar-condicionado usavam gases altamente tóxicos e inflamáveis para refrigerar o ambiente. Amônia, propano e clorometano estavam entre eles! Pouco a pouco, o aparelho começou a conquistar cada vez mais espaço entre os americanos, chegando ao Senado, à Casa Branca e até aos vagões de trem.

Uso residencial

As versões domésticas do aparelho de ar-condicionado apareceram a partir da década de 1950. Em 1957, ganharam compressor rotativo. Dessa forma, tornaram-se menores e mais silenciosas que suas versões anteriores. Com a popularização, o custo do equipamento também baixou, e os gases tóxicos foram substituídos por Freon-12, um fluido refrigerante.

Carros e meio ambiente

Você já parou para imaginar como era enfrentar o trânsito pesado num dia de verão sem ar-condicionado? Pois, saiba que, antes da década de 1980, era assim. Foi só a partir daí que os veículos ganharam esse recurso tão indispensável — considerado um luxo!

 

Já presente em praticamente todos os ambientes corporativos, a indústria do ar-condicionado se viu diante de um impasse na década seguinte. O Freon-12 estava destruindo a camada de ozônio e passou a ser atacado pelos ambientalistas. Então, foi preciso repensar a tecnologia para um menor impacto no meio ambiente.

Split

A virada do século trouxe inovações em design e potência: o modelo split chegava ao mercado. Ele permitia a otimização do uso do espaço, uma vez que as unidades internas e externas ocupam áreas diferentes.

 

A tecnologia inteligente de desligar ao constatar que o ambiente atingiu a temperatura desejada promoveu economia, fazendo com que o aparelho passasse a pesar menos no bolso.

 

Dessa forma, o ar-condicionado conquistou cada vez mais adeptos, seja em casa ou no trabalho. Ele ainda gera embate quanto à temperatura ideal, mas, sem dúvidas, é um aliado no combate ao calorão do verão.

Saiba que bolsa usar em diferentes ocasiões

Conheça o modelo ideal para situações diversas.

 

Um dos acessórios queridinhos das mulheres é a bolsa. Existem modelos com tecidos, formatos e estampas diferentes que dão um toque mais que especial a qualquer look. O que gera muita dúvida é quanto ao modelo mais indicado para cada ocasião.

 

A clássica bolsa de mão, por exemplo, é uma boa opção para quem trabalha fora de casa e precisa carregar alguns itens básicos, como carteira, chaves, celular e agenda. Já em situações como cinema  ou um barzinho à noite, modelos mais compactos são mais interessantes.

 

Para facilitar a sua escolha, separamos os tipos de bolsas mais indicadas para cada momento, considerando as necessidades e o ambiente onde você estará.

Para o trabalho

Quem trabalha fora de casa sabe bem a falta que um simples objeto pode fazer. Justamente por isso é muito importante ter uma bolsa com espaço suficiente para carregar itens como agenda, batom, absorvente, escova de dente e álcool em gel.

 

Modelos com compartimentos bem divididos, a exemplo das bolsas baú e das bolsas estruturadas são os mais indicados para usar na rotina de trabalho. Para quem não leva tanta coisa, uma opção é a bolsa de mão. Para esses tipos de bolsa, opte sempre por materiais resistentes, como couro.

Para o dia a dia

Há pessoas que não têm o costume de sair na rua todos os dias, mas quando o faz acaba realizando diferentes tarefas de uma só vez. O mais indicado, portanto, é procurar por modelos que sejam um pouco mais leves e com espaço suficiente para levar até um guarda-chuva, caso esteja ameaçando chover.

 

As bolsas transversais e em formato de saco são excelentes para serem usadas no dia a dia porque oferecem praticidade sem pesar no ombro. Vale a pena optar por modelos lisos e com cores mais neutras, permitindo uma combinação variada com o seu visual.

Para sair à noite

Para a noite, os modelos mais indicados são os menores. Isso porque você vai precisar levar consigo uma quantidade consideravelmente menor de objetos. Cartão, documento, batom, celular e chaves de casa, provavelmente, serão os poucos itens necessários, seja para ir a uma balada, encontrar com as amigas em um barzinho ou ir ao cinema.

 

As bolsas em formato de carteira são um exemplo muito útil para uma saída à noite, exatamente por ser mais compacta. Modelos de bolsas transversais pequenas também são bem vindos, principalmente as redondinhas, que dão um toque extra de feminilidade a qualquer visual.

Para casamentos e festas

Para situações formais, é preciso investir em um tipo de bolsa que esteja à altura da ocasião. Nesse caso, as clutches são um ótimo exemplo, já que conseguem unir praticidade (lembrando que não precisará levar muitos objetos além de celular e chaves) e beleza em um único produto.

 

A ideia é criar uma composição que seja harmônica. Logo, se o vestido for muito brilhante, invista em uma clutch mais neutra. Caso contrário, capriche no glamour. As bolsas em formato de carteira também podem ser usadas, desde que feitas de um material mais sofisticado.

Para faculdade/escola

Para quem vive carregando livros, cadernos e agenda a mochila é uma peça essencial. Isso porque elas conseguem suportar uma quantidade maior de objetos, mantendo o peso dividido entre os dois ombros, não sobrecarregando apenas um.

 

É preciso tomar cuidado com o excesso de peso, que pode gerar dores nas costas e até mesmo problemas sérios de coluna. Para ter uma mochila que dure mais tempo, prefira modelos com alças acolchoadas e material resistente. Atente-se, ainda, à qualidade do zíper.

30% do e-commerce criado durante a crise sanitária permanecerá

Negócios podem desfrutar dos rendimentos obtidos, mas devem se atualizar com relação à concorrência.

 

Com crescimento de 47% apenas no primeiro semestre de 2020 (Ebit | Nielsen 2020), as lojas virtuais podem esperar estabilidade nos números durante os próximos meses. Quem chegou na internet com novos domínios e soube acompanhar o ritmo frenético de vendas, tem a chance de aproveitar os frutos do trabalho daqui para frente.

 

As empresas que ainda não tinham um site bem estruturado tiveram que correr contra o tempo, mas puderam contar com serviços que facilitaram bastante o processo. Um exemplo é o Hostgator, plataforma na qual é possível registrar o domínio e hospedar o seu site de forma bem descomplicada.

Das ruas para o digital: adaptação do comércio em tempo recorde

Era esperado que o comércio online sofresse um aumento exponencial nos próximos anos. Porém, com a chegada da crise sanitária, as perspectivas ficaram esfumadas. Empresas que já tinham forte presença digital se fortaleceram ainda mais, ao passo que quem estava por fora teve que se esforçar para acompanhar o ritmo.

 

Hoje, definitivamente, se sua empresa não possui um site, ela não existe. Graças a diversos serviços de hospedagem, criar um site ficou bem mais fácil.

O caminho para estabelecer um negócio online

Assim como as lojas físicas, os e-commerces precisam de um nome forte, que os diferencie da concorrência e seja de fácil memorização para os clientes. Na internet, podemos dizer que o domínio do site exerce esse papel.

 

Com diversos negócios online vendendo o mesmo produto ou serviço que o seu, a criação de um domínio objetivo e criativo é essencial para que ele atraia a atenção dos seus potenciais consumidores.

 

Assim como registrar um bom domínio corretamente e hospedar o site de forma segura,  escolher uma plataforma adequada ao seu perfil de negócio pode favorecer a sua entrada no mundo digital.

 

Sites como o Hostgator permitem que você realize cada uma dessas etapas de forma simplificada, além de oferecer preços bastante vantajosos. Isso vale para quem está começando e para quem está no ramo há mais tempo.

E-commerce: presente, passado e futuro

Até a metade da primeira década dos anos 2000 as compras online eram vistas com desconfiança e quase exclusivamente para compras internacionais, além de predominar apenas entre jovens. Hoje o cenário é bem diferente.

 

Pela popularização de sites de compras internacionais a preços possíveis e pelo aumento no uso de dispositivos móveis, como tablets e celulares, as compras online cresceram muito no Brasil. Nos últimos anos, o fenômeno da Black Friday atraiu ainda mais compradores para os sites varejistas, movimentando principalmente o setor de tecnologia e eletrônicos.

 

Em 2020, as vendas pela internet despontaram em quase o dobro do total de vendas realizadas online no ano anterior. O crescimento já era esperado, mas foi acelerado pelo contexto mundial de fechamento de lojas, shoppings e centros comerciais em geral.

 

Para 2021, a projeção do Global Outlook (Mastercard) é de que cerca de 30% das lojas virtuais que obtiveram sucesso durante o período continuem desfrutando da confiança dos consumidores.

Próximos passos

Se você foi um dos que investiu em um e-commerce do zero, criando um novo domínio, aplicando boas estratégias de marketing digital (como SEO) e, além disso, soube atingir seu público de forma positiva, saiba que o trabalho não acaba aqui.

Uma das grandes tendências para este ano é o mobile. Isso significa que os sites já existentes devem se adaptar cada vez mais aos dispositivos móveis, oferecendo experiências confortáveis e simples para seus usuários. Os aplicativos também seguem em alta, permitindo a compra em poucos cliques e de qualquer lugar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As 8 raças de cachorro mais populares no Brasil

 

Sem raça definida, os famosos vira-latas são os mais populares nos lares do país. No entanto, muitos cães de raça também fazem sucesso.

 

Que os cachorros são os animais de estimação preferidos dos brasileiros não é novidade. Eles são ótimas companhias e costumam se afeiçoar bastante ao tutor e aos demais membros da família, incluindo as crianças. Você sabe quais as raças mais populares por aqui?

 

Antes de entrar nessa lista, é importante lembrar que todos os cães domésticos devem receber vacinas, proteção contra carrapatos e pulgas e irem a um veterinário regularmente. Além disso, eles precisam de alimentação balanceada e de estímulo para se exercitarem, de preferência com passeios diários.

 

Uma curiosidade é que as raças que fazem sucesso mudam ao longo das décadas. Nos anos 80 e 90, por exemplo, dálmatas e pastores alemães eram bem comuns, hoje nem tanto. Isso tem a ver com alguns fatores: um dos mais importantes é a mudança de hábito das pessoas.

 

Como muita gente vive em espaços pequenos, como apartamentos, os cães de pequeno porte se popularizam cada vez mais, pois eles se adaptam melhor a esses lugares. Vamos à lista.

Vira-lata

Preferidos por quem gosta de adotar animais de rua, os vira-latas são super brasileiros e cheios de personalidade, ou seja, cada um terá suas peculiaridades. Costumam ser fiéis, sociáveis e a maioria se adapta bem a qualquer espaço. Além disso, há vira-latas de todos os portes — pequeno, médio e grande.

Boca-Preta Sertanejo

Muito populares em sua região de origem, o Nordeste do Brasil, esses cães se adaptam bem ao clima quente e são ótimas companhias para o trabalho no campo: a lida com o gado e a caça. Também são excelentes cães de guarda e precisam se exercitar diariamente. Por isso, são mais comuns em casas grandes e fazendas.

Yorkshire Terrier

Entre os cachorros de raça, esse cãozinho é um daqueles que é popular há décadas e os motivos são vários: eles são dóceis, pequenos, brincalhões e muito carinhosos. Também costumam ser fáceis de adestrar, mas não gostam de ficar sozinhos e precisam ser educados para que os latidos não incomodem os vizinhos.

Border Collie

Também populares há anos, esses são cachorros de porte médio, que têm muita energia e adoram fazer exercícios físicos. Por isso, eles podem até se adaptar bem a um apartamento, mas precisam sair e correr todos os dias para não ficarem deprimidos ou agitados. São inteligentes, sociáveis e ótimos companheiros.

Maltês

Branco, peludinho, fofo e de pequeno porte, o maltês também é um ótimo animal doméstico. Costuma ser carinhoso e adora uma brincadeira. No entanto, precisa de atenção e não gosta de ficar sozinho. Se adapta bem aos apartamentos, mas precisam ser bem educados, pois pode latir muito.

Lulu da Pomerânia

Essa raça, cujo nome oficial é Spitz Alemão, se adapta bem a espaços pequenos. Os cãezinhos são conhecidos por terem pelo fofinho e serem muito alegres. São ótimos para quem gosta de companhia, pois não desgrudam do tutor. Apesar disso, ficam bem sozinhos — e ainda fazem festa quando você chega.

Buldogue francês

De pequeno porte, tranquilos, carinhosos e silenciosos, esses cachorrinhos também são perfeitos para os ambientes domésticos e, não por acaso, estão entre as raças mais populares por aqui. Eles também são brincalhões e costumam se dar bem com crianças.

Fila Brasileiro

Essa é uma raça nacional de grande porte, muito popular. Os Fila são animais muito fiéis aos donos, ótimos para o trabalho na fazenda e também para a segurança das casas nas cidades. São simpáticos, inteligentes e se dão bem com crianças, mas precisam de exercícios diários para liberar energia.

Guia completo: veja qual é o sutiã perfeito para você

Existe um tipo de sutiã para cada silhueta, entenda qual o modelo ideal para a sua e use isso ao seu favor.

 

Foi-se o tempo em que víamos propagandas de lingerie e moda praia sendo feitas exclusivamente com corpos magros e padronizados. Nos últimos anos, experienciamos uma transformação intensa da publicidade em torno das peças íntimas e, hoje em dia, é cada vez mais comum vermos corpos de todos os tipos em campanhas publicitárias.

 

É importante notar que essa mudança nada tem a ver com a mudança do perfil do consumidor porque estes corpos sempre existiram. O que estamos testemunhando é uma maior conscientização dos efeitos negativos dessa disseminação de padrão estético que acaba por ignorar que todas podem usar, por exemplo, modelos de microfibra e renda.

 

Entretanto, a questão é que anos de mídia sendo feitos dessa maneira geraram e continuam gerando muitas dúvidas na hora da escolha do sutiã ideal para cada tipo de corpo. Pensando nisso, elaboramos um guia completo para te auxiliar nessa tarefa.

 

O modelo perfeito vai te deixar confortável e te fazer sentir empoderada, bem como vai contribuir para que o caimento do seu look seja como você imaginou. Confira nossas dicas.

 

 

Existem dois fatores principais a serem considerados na hora de escolher o seu sutiã: o tamanho das suas costas e o tamanho do seu busto. A maioria das marcas nacionais usam uma numeração que considera essa proporção, enquanto a numeração oficial da Loungerie considera a combinação desses valores de outra maneira, abrangendo também outras proporções.

 

No caso da taça, é o tamanho do busto que deve ser considerado para que se faça a escolha certa. Para medir suas costas com uma fita métrica, bem abaixo do busto, considere toda a circunferência da região. Feito isso, é só conferir na tabela de medidas das duas padronagens, nacional e Loungerie, qual a numeração ideal para o seu tipo de corpo.

 

Dando ouvidos ao seu biotipo

Mas a numeração não deve ser o único fator a ser considerado na hora de escolher o seu sutiã, a estrutura do seu corpo também deve informar a modelagem da peça a ser escolhida.

 

Quem tem seios mais fartos, por exemplo, devem dar preferência para sutiãs com as laterais mais grossas. Dessa maneira, todo o busto é coberto, deixando-o mais seguro. Já aquelas que têm seios menores e desejam acrescentar volume, podem escolher modelos com bojo e enchimento.

 

Alguns modelos disponíveis no mercado

Sabendo a sua numeração e considerando a estrutura do seu corpo para considerar a estrutura da peça, você poderá escolher com mais facilidade entre os modelos disponíveis no mercado. Hoje em dia, como dissemos, é bem mais fácil encontrar todos esses modelos com diferentes numerações.

 

O modelo tomara que caia, por exemplo, é uma inovação no quesito lingerie. Sua promessa é de que, mesmo sem alça, na numeração correta, dá sustentação ao colo tanto quanto o modelo tradicional. É ideal para ser utilizado com peças de roupa igualmente sem alças um pouco mais cavadas.

 

Já o push-up, como o nome já nos indica, confere uma maior elevação aos seios, puxando-os para cima e é indicado para quem quer moldar o formato do colo. Bastante versáteis, eles ficam bem com diversas modelagens de roupas. Seu bojo, geralmente, vem com espuma extra em sua base, o que ajuda a peça a executar melhor a função para a qual foi desenhada.

 

Para roupas decotadas, o modelo meia taça é um dos mais indicados. Isso porque ele também confere sustentação, mas deixa descoberta a parte superior do colo, acima do mamilo, exatamente o que aparecerá no decote.

 

Na hora de usar blusas e vestidos que mostrem um pouco mais a parte das costas, o modelo de sutiã nadador vai te ajudar. Por sua alça única em formato de Y localizada no centro das costas, ela deixa quase toda a região que vai do ombro ao centro dela livre da peça.

 

Por fim, o sutiã com a taça triângulo é indicado para ocasiões em que o decote tem o mesmo formato, com formato em V. Este é também um dos modelos mais tradicionais.

Acho que aqui vale colocar uma imagem da tabela

Como as camisetas surgiram?

Confira uma breve história desta peça clássica.

 

Hoje em dia, é até difícil imaginar um mundo em que camisetas não sejam onipresentes. A peça é essencial em qualquer guarda-roupa, seja masculino, feminino, infantil, jovem, adulto ou idoso. Contudo, nem sempre foi assim: o item percorreu um longo trajeto até ocupar lugar de destaque definitivo no vestuário.

 

Considerada uma das roupas confortáveis do guarda-roupa atual, antes, a camiseta vivia escondida, ganhando as vitrines, as ruas e os corações de todos nós apenas em um passado relativamente recente. Contamos um pouco dessa história aqui, acompanhe abaixo.

1.  Longo início

A origem da camiseta remonta à Antiguidade. Por baixo das armaduras dos soldados romanos, havia uma proteção de linho, chamada “camisia”. Foi assim que tudo começou e permaneceu por muito tempo: o item era usado como peça de baixo para proteger o corpo principalmente da transpiração.

 

A popularização veio a partir da Revolução Industrial, quando praticamente todas as áreas de produção sofreram grandes mudanças. Com a introdução do tear mecânico e das máquinas têxteis, a camiseta passou a ser produzida e consumida em larga escala por trabalhadores.

 

Os filhos desses operários, que, muitas vezes, também trabalhavam na indústria, passaram a usar as camisetas desde a infância. No entanto, o uso não ficou restrito aos cidadãos urbanos: por causa do baixo custo, a peça passou a ser largamente utilizada para trabalhos rurais justamente pelo conforto.

 

Até a Primeira Guerra Mundial, permaneceu como roupa de baixo, sendo utilizada por trabalhadores braçais. Naquela época usar camiseta socialmente não era uma hipótese. Entretanto, o conflito foi importantíssimo por incluir a peça de algodão como vestimenta dos soldados, figuras enaltecidas no pós-guerra.

 

Graças aos soldados norte-americanos, a camiseta ganhou a cara que conhecemos hoje. Por meio da propaganda dos oficiais, a peça também começou a ser exportada.

2.  Grande virada

Pode perguntar para os seus avós se eles viam as camisetas com bons olhos: há muitas chances de que a resposta seja negativa. Até os anos 50, a peça ainda era usada embaixo das roupas, escondida.

 

Tudo mudou quando Marlon Brando apareceu de camiseta branca e calça jeans no filme Um Bonde Chamado Desejo. Nesse momento, até os idosos se renderam à peça. Foi um sucesso estrondoso, enquanto a imagem de virilidade de Brando era o ideal a ser alcançado pelos homens.

 

Ainda na década de 50, mais especificamente, em 1955, apareceu outro ícone do cinema usando o look formado por camiseta branca e calça jeans, combinado com carros em alta velocidade e cigarros: James Dean. Assim, a camiseta ganhou os corações da juventude contestadora e passou a ser sinônimo de posicionamento político.

 

Falando em política, foi na esteira da herança de rebeldia e contestação juvenil que a camiseta conquistou seu posto de vestimenta mais usada para expressar mensagens. Com o movimento hippie e os festivais de música, as camisetas passaram a trazer as clássicas frases de paz e amor, além de símbolos da contracultura, texto antiguerras e estampas tie-dye — que voltou à moda hoje.

3.  Incontestável ícone

Desde então, não teve mais volta: a camiseta chegou e ficou. Dos anos 80 para cá, as camisetas não eram mais exclusivas de jovens rebeldes, mas pertencendo a todos. Até a Princesa Diana apareceu usando a peça por baixo de um blazer, deixando a Família Real enlouquecida.

 

As camisetas de banda viraram tendências, mas as listradas, no estilo náutico, também caíram no gosto dos mais refinados. Hoje em dia, viraram até uniformes de CEOs de sucesso: Mark Zuckerberg e Steve Jobs sempre advogaram usar apenas um estilo de camiseta e calça jeans para não perderem tempo pensando em roupas, o que contribuiu para que a peça fosse cada vez mais aceita em ambientes de trabalho.

 

Não tem como contestar: a camiseta é uma peça confortável, atemporal, simbólica e universal, presente em todos os guarda-roupas, festivais de música, passarelas, escritórios e, principalmente, corações.

O que é Marketing Digital?

Digitalização das relações no mundo atual vem transformando o marketing e a propaganda.

 

Não é segredo que a digitalização do mundo é um processo atual que estamos todos testemunhando. Estudos, compras e até festas já acontecem digitalmente. Mesmo as dinâmicas de trabalho entram na lista das relações virtuais da contemporaneidade. Nesse sentido, a publicidade é impulsionada pelo crescimento desse fenômeno.

 

Os estudos de estratégia de marketing, somados aos de comunicação, por estarem presentes em todos os ramos do mercado, apresentam um intenso processo de digitalização para uma empresa. Tanto consumidores como empresas investem, de uma maneira ou de outra, em sua presença online. Isso significa que o marketing digital se tornou a forma mais eficiente de potencializar a relação entre esses dois agentes das relações comerciais.

 

Ao contrário do que muitos pensam, investir no aspecto digital aproxima clientes e empresas, potencializando as vendas e a satisfação dos clientes que, vale ressaltar, são crescentemente familiarizados com as plataformas e ferramentas oferecidas pela internet.

 

Além da digitalização

Inicialmente, é preciso entender que o marketing digital vai além da simples virtualização dos processos de marketing tradicionais. Por um lado, é verdade que os gestos que envolvem essas dinâmicas e estratégias utilizam alguns princípios que coincidem com aqueles mais populares. Por outro, entretanto, a premissa de que o marketing digital utiliza exclusivamente ferramentas oferecidas pelas possibilidades da rede mundial de computadores, a internet, demanda atenção para que alguns erros não sejam cometidos.

 

Deve-se entender, por exemplo, que a informação na internet circula bem mais rápido e isso deve ser enxergado, simultaneamente, como uma vantagem e um alerta. Isso porque essa velocidade também implica no fato de que as mesmas informações também se tornam obsoletas muito mais rápido.

 

Dessa maneira, é urgente que se entenda não somente como distribuir conteúdo e engajar consumidores, mas também como se comprometer com estratégias que acompanharão essas mudanças e com o desafio de fazer com que o seu conteúdo não se torne irrelevante com o passar do tempo.

 

É importante lembrar que tempo, na internet, pode significar apenas alguns minutos. Mesmo uma promoção que viralize pode perder lugar para outra que tenha se estruturado de maneira mais sólida e consistente.

 

Desenvolvendo solidez

Entre as muitas estratégias existentes, umas das mais eficientes são conhecidas como SEO (Search Engine Optimization). Em suma, o objetivo básico das SEO é a otimização de sua empresa, negócio e propaganda nos resultados de plataformas que oferecem serviços de busca.

 

Sua configuração, atualmente, envolve diversas outras dinâmicas. Isso porque o próprio conceito de SEO modificou as dinâmicas do ecossistema digital e foi, ao mesmo tempo, transformado pela própria internet. Um exemplo disso é o fato de que a maioria dos acessos à internet é feita através de dispositivos móveis. Assim, sai na frente quem produz conteúdos que sejam compatíveis com celulares.

 

O papel das redes sociais, nesses casos, é essencial. Não são raros os casos de negócios que viram suas vendas alavancarem após terem investido na presença online através desse tipo de plataforma.

 

Outra forte tendência a ser considerada é a produção de conteúdo. Vivemos na era da informação e a empresa que entende isso também está em vantagem. Conteúdos bem elaborados ajudam a construir a solidez, bem como a desviar da irrelevância do que foi produzido, que assombra todos aqueles que trabalham com o marketing digital.

 

Muitas empresas mantêm plataformas, como podcasts e blogs. Episódios bem roteirizados com informações sérias e relevantes, bem como artigos bem escritos, tem o potencial de tornar um consumidor em um seguidor da sua marca, uma vez que ele começa a se identificar não só com os seus produtos, mas com sua filosofia de empresa.

 

É claro que algumas estratégias mais conhecidas e tradicionais, tais como as palavras-chave, ainda são e continuarão sendo bastante relevantes quando falamos de SEO. Aqueles que querem, de fato, ter sucesso no marketing digital, devem estar preparados para acompanhar as mudanças do mundo virtual.

8 dicas para combater espinhas e cravos

Bons hábitos de alimentação e produtos certos fazem parte da receita para ter uma pele lisa e saudável.

 

Você sofre com inflamações e desagradáveis pontinhos pretos no rosto e em outras partes do corpo? A primeira coisa que você precisa saber é que os cravos e espinhas são mais comuns do que parece, especialmente no caso de peles oleosas.

 

A pele pode ficar com excesso de sebo por vários motivos: alterações hormonais, alimentação, estresse, uso de medicações ou algum cosmético, entre outros. Por isso, o primeiro passo para combater o problema é identificar sua causa.

 

Um dermatologista, médico especialista em pele, é a pessoa mais indicada para te  indicar produtos específicos para ajudar a combater as causas da acne e dos cravos, evitando que eles voltem a aparecer. Enquanto você não consulta um especialista, confira essas dicas que valem ouro.

Não esprema

Apesar de ser tentador, não devemos espremer as espinhas e os cravos, especialmente porque podemos piorar a infecção, causar mais inchaço, dor e até mesmo manchas. O ideal é tratar as causas para evitar que eles apareçam.

Beba água

Quando nos hidratamos, também estamos cuidando da nossa pele, que precisa de muita água para se manter saudável. Beber água também ajuda o nosso corpo a eliminar toxinas que favorecem o aparecimento de infecções na pele.

Use protetor solar

Usar proteção contra os raios do sol é essencial para manter todos os tipos de pele saudáveis. Mas, a proteção é ainda mais necessária para quem tem espinhas e cravos, evitando manchas e até ajudando a disfarçar as imperfeições. É importante, no entanto, escolher produtos adequados ao seu tipo de pele.

 

Coma de maneira saudável

Nossos hábitos alimentares influenciam, mais do que pensamos, a saúde da pele. O ideal é evitar alimentos industrializados e gordurosos, que podem contribuir para aumentar a oleosidade, que é justamente a maior causadora das espinhas. Carne vermelha também não deve ser consumida em excesso.

 

Além de evitar alimentos que podem fazer mal, também é uma boa ideia aumentar o consumo daqueles que fazem bem. Prefira carnes brancas, como o peixe, que tem nutrientes que ajudam a pele a combater as infecções. Frutas e legumes ricos em betacaroteno também têm propriedades antioxidantes.

Faça limpeza de pele

As limpezas de pele periódicas ajudam a pele a controlar a produção de sebo, diminuindo a oleosidade. No entanto, as receitas caseiras não são recomendadas, pois podem causar irritações. O ideal é investir em géis e sabonetes testados que sejam indicados para o seu tipo de pele.

Não exagere

É importante verificar o rótulo dos produtos que você utiliza, seguindo as indicações de aplicação. A maioria deles pode ser utilizada diariamente, mas nem sempre é uma boa ideia fazer a limpeza da pele várias vezes ao dia, pois o organismo pode aumentar a produção de sebo para tentar repor a oleosidade.

 

Além disso, fique atento para não misturar produtos demais, pois isso pode acabar obstruindo os poros e aumentando a oleosidade, produzindo um efeito contrário ao que se espera.

Não dispense a hidratação

Nosso primeiro pensamento pode ser o de que peles oleosas não devem ser hidratadas, mas isso não é verdade. A intenção é, justamente, fazer as glândulas que produzem sebo entenderem que não precisam trabalhar tanto. Além disso, alguns produtos podem ressecar a pele se ela não for hidratada. Opte pelos oil free.

Cuide da mente

Essa é a dica mais difícil dessa lista, pois sabemos que a rotina nem sempre é fácil. Acontece que o estresse também pode favorecer o surgimento de cravos e espinhas e, portanto, você também precisa cuidar da sua saúde mental. Fazer exercícios físicos regularmente e praticar yoga ou meditação costumam ajudar.

Por que o bairro de Campo Grande quase virou uma cidade do Rio de Janeiro?

O bairro situado na Zona Oeste carioca é antigo, passando por diferentes processos históricos e econômicos, o que motivou a migração de pessoas para a região e fortaleceu o  crescimento econômico.

 

A capital carioca é uma cidade repleta de lugares incríveis para visitar, como Cristo Redentor, Lapa, Pão de Açúcar, Centro Histórico, Copacabana, Jardim Botânico, Ipanema, Parque da Tijuca e tantos outros.

 

Apesar disso, fora do circuito turístico mais tradicional, existem outros lugares marcantes, como o Campo Grande. Localizado na Zona Oeste da cidade, a 55 km do centro, esse é o bairro mais extenso e populoso tanto do Rio quanto do Brasil, contendo 330 mil habitantes.

 

Por isso, se você já foi algumas vezes para a cidade maravilhosa, mas ainda não conhece Campo Grande, antes de comprar a sua passagem para a rodoviária de Campo Grande, RJ, confira algumas razões que fazem desse bairro quase outra cidade.

História

A região de Campo Grande era habitada por índios Picinguaba. A partir de 1565, esse território começou a integrar a Sesmaria de Irajá e passou por diversos ciclos rurais (como o plantio de cana-de-açúcar, a criação de gado bovino e a produção de laranja) até o comércio local, que é a principal atividade econômica da área.

 

Em 1673, foi criada a Paróquia de Nossa Senhora do Desterro, que é considerada um marco da ocupação da região. Durante todo o século XVIII, o engenho dos jesuítas promoveu a ocupação territorial em Santa Cruz e Campo Grande, cujas terras abrigam as áreas de Bangu e Jacarepaguá atualmente.

 

Do século XVI a meados do XVIII, os jesuítas marcaram forte presença na região, sendo responsáveis por obras importantes de engenharia (como pontes, estradas e canais de captação de água tanto para irrigação quanto para drenagem, sujeitos às enchentes dos rios Itaguaí e Guandu).

 

Mesmo com o crescimento, Campo Grande seguiu tendo um caráter rural. Em 1878, houve a implantação da Estrada de Ferro D. Pedro II, que aumentou o povoamento da área, facilitando o acesso e a urbanização mais intensa do bairro.

 

O ano de 1815 marcou a substituição dos bondes de tração animal pelos elétricos, o que intensificou ainda mais a integração da região com outras áreas urbanizadas. Esse histórico ajuda a compreender a formação de um comércio interno forte em Campo Grande, que continua até os dias atuais.

Quase cidade

Devido à opulência econômica e populacional, em 1968, Francisco Negrão de Lima, o governador do estado da Guanabara, aprovou a Lei 1627/68, que reconheceu Campo Grande como cidade. Apesar disso, essa área segue sendo um bairro até os dias de hoje. Alguns pesquisadores sobre o tema afirmam que a lei “não pegou”, como já ocorreu com outras no país.

Curiosidades

Outro fato curioso sobre Campo Grande é que o bairro já foi conhecido como “Citrolândia”, devido à grande produção de laranjas, inclusive em um momento delicado, como a Segunda Guerra Mundial. Mesmo que, no início do século XX, a economia de Campo Grande fosse marcada pela produção de frutas, chuchu, coco, batata-doce e aipim, a vocação industrial do lugar já começava a despontar.

 

O aumento populacional também se deu a partir da intensa industrialização de Bangu, que impactou bairros vizinhos, como Campo Grande, o que acabou trazendo várias indústrias para lá. Outra marca de Campo Grande é a forte presença de igrejas protestantes, já que a região conta com muitos cristãos reformados.

O que visitar

Embora não seja um dos lugares turísticos mais visitados da capital carioca, Campo Grande possui diversos locais interessantes para conhecer. Esse é o caso do Parque das Nações Indígenas, o Museu Dom Bosco e o Parque dos Poderes — espaço recomendado para quem busca relaxar e ter um contato mais direto com a natureza.

Alongamento: para que serve e 6 exercícios que auxiliam o corpo

Você pratica alongamento com frequência? Quando comparamos o nosso corpo a uma máquina, é possível dizer que assim como uma manutenção é indispensável para mantê-la em funcionamento, investir nos cuidados pessoais diários é fundamental. 

A formação do corpo humano é bastante complexa, e envolve sistemas como o muscular e o ósseo, sem os quais não seria possível manter a postura e o equilíbrio. No entanto, essas áreas não estão blindadas, e precisam ser bem tratadas para estarem sempre em atividade. 

É comum que algumas pessoas acordem com dores nas costas ou que sintam a musculatura mais cansada e dolorida depois de realizar atividades de alto impacto ou com as quais não está acostumado. 

Quem não tem o costume de realizar atividades físicas, como uma caminhada ao ar livre ou o uso de uma esteira para academia, certamente sofre mais com quadros como esses do que quem já possui uma rotina mais ativa. 

Mas, até mesmo as pessoas com um perfil mais atlético podem ser atingidas por dores musculares, e tudo isso se deve, em geral, à falta de exercícios de alongamento. 

Outros quadros como estresse constante, insônia, postura inadequada e longos períodos realizando uma atividade repetitiva também costumam ocasionar dores, que prejudicam a rotina e a qualidade de vida das pessoas. 

Dessa maneira, é preciso ter cuidado, e saber o que pode ser feito não apenas para aliviar esse tipo de sintoma, mas inclusive preveni-los, trazendo maior conforto e bem-estar no dia a dia. 

Nesse caso, a prática do alongamento pode ser um fator importante para contornar a situação, uma vez que ela se trata de um conjunto de exercícios para preservar e aumentar a flexibilidade dos músculos como um todo. 

Portanto, seja para iniciantes ou para atletas, entender a importância, os benefícios e conhecer alguns tipos principais que podem ser colocados em prática na rotina de qualquer pessoa é essencial para melhorar a disposição física.

Sendo assim, se você reconhece que os alongamentos podem mudar o seu dia a dia, mas quer entender mais sobre o assunto e aprender a fazer alguns o quanto antes, siga na leitura deste artigo e amplie os seus conhecimentos sobre o assunto. 

As funcionalidades dos alongamentos

O nosso corpo demanda uma série de cuidados, que vão ser capazes de promover melhorias na saúde e na realização de diversas tarefas diárias. 

Assim, saber o que fazer para mantê-lo sempre bem cuidado é fundamental para estar ativo no cotidiano. 

Nesse sentido, do mesmo modo que quem procura um nutricionista esportivo sabe que o suporte profissional vai ajudar na ingestão de alimentos adequados, quem decide realizar atividades físicas sabe que elas precisam de complementos para serem eficientes. 

Dessa forma, tal como pode ser importante ter um instrutor devidamente formado na área para que se possa atingir os seus objetivos, há outro elemento de peso que ajuda a manter o corpo sempre relaxado e bem disposto: os alongamentos. 

Mas, afinal, o que são eles? Os alongamentos se tratam de exercícios que são feitos com o intuito de aumentar as fibras musculares, oferecendo maior flexibilidade e aperfeiçoamento dos músculos. 

Quem imagina que a simples realização de exercícios físicos já é suficiente para trabalhar os músculos está enganado. Até mesmo porque, alguns tipos de atividades, realizadas com maior ou com menor frequência, podem trazer o encurtamento das fibras dos músculos. 

Dessa maneira, podem ocorrer episódios de dor intensa, que limitam os movimentos do corpo, assim como lesões que acabam por impedir a continuidade das atividades físicas. 

Por isso, quem decidiu se inscrever em uma academia com espaço kids para ter a certeza de criar uma rotina mais ativa, deve investir nos alongamentos em conjunto, conseguindo assim ter flexibilidade, mais resistência a tensões e evitando danos nos músculos.

Os benefícios que a prática de alongamentos pode trazer

Quando se decide mudar alguns hábitos prejudiciais à saúde, é importante buscar meios de conseguir praticá-los, de modo que se possa conquistar os resultados desejados. 

Nesse sentido, tal como seguir um plano alimentar individualizado é um meio de potencializar os efeitos da perda de peso, praticar alongamento é uma maneira de colher benefícios importantes para a saúde. 

Não à toa, eles podem ser essenciais para a vida de pessoas sedentárias, que não buscam uma atividade física, sendo também parte importante da rotina dos atletas, promovendo maior conforto e resistência durante os seus treinamentos. 

É possível montar uma lista de vantagens trazidas pelos alongamentos, sendo elas:

  • Conquista de bem-estar mental e físico;
  • Domínio sobre o próprio corpo;
  • Melhora considerável na postura física;
  • Diminuição de quadros de lesões musculares diversas;
  • Redução da tensão muscular em vários pontos do corpo;
  • Alívio da dor em locais específicos;
  • Diminuição dos riscos de danos na coluna;
  • Menor incidência de cãibras;
  • Redução das dores musculares depois de atividades físicas;
  • Melhora na circulação sanguínea;
  • Maior distribuição de nutrientes no organismo;
  • Produção do hormônio do bem-estar.

Ao conhecer a lista de benefícios, é possível perceber o quanto os alongamentos podem contribuir para o dia a dia das pessoas, trazendo mais disposição e conforto. 

Por isso, assim como pode ser necessário investir na compra de uma cadeira alta para escritório para tornar a jornada de trabalho mais confortável, é fundamental realizar alongamentos para ter maior disposição.

Tipos de exercícios de alongamento para o dia a dia

Depois de entender as vantagens de praticar o alongamento na rotina diária, é importante conhecer alguns tipos de exercícios que podem ser realizados sem dificuldades, e que vão trazer maior bem-estar. Conheça alguns deles a seguir. 

1. Estático

Os exercícios de alongamento mais comuns e simples de serem feitos são os estáticos, ou seja, realizados em repouso. 

Para tanto, é necessário alongar os músculos, mantendo-os “esticados” por, em média, 30 segundos. É importante que eles sejam alongados até o limite da sensação de conforto, para não exagerar ou causar problemas. 

2. Dinâmico

Os alongamentos dinâmicos são realizados com o auxílio de impulsos do corpo, sendo indicados, em sua maioria, para ajudar na realização de saltos, corridas e outros tipos de atividades que exijam movimentos amplos, como em uma aula funcional em dupla

Tal como no caso dos estáticos, não é necessário esticar os músculos até sentir dor, mas sim, até o momento em que eles deixam de ser confortáveis. 

3. Ativo

No caso do alongamento ativo, a instrução pode ser um pouco mais técnica do que o comum. Ele funciona como um alongamento estático, no qual se deve atingir o limite do movimento voluntário. 

Nesse exercício, usa-se a força dos músculos chamados de agonistas, como o bíceps braquial, e o relaxamento dos chamados antagonistas, como o tríceps braquial.

4. Passivo

Os alongamentos passivos são aqueles realizados com o auxílio de forças externas ou de objetos próprios para esse tipo de atividade. 

Alguns exemplos são a gravidade, pesos, elásticos ou outros tipos de recursos. Assim como em uma terapia manual, pode-se contar com o auxílio de outra pessoa para o alongamento passivo. 

5. Balístico

No alongamento balístico é possível verificar semelhanças com os dinâmicos, com a diferença de que eles forçam mais os limites musculares, sendo colocado em prática com movimentos rápidos e saltos. 

Assim, ele utiliza as contrações musculares para estender a musculatura, graças ao auxílio de movimentos pendulares contínuos. 

6. Isométrico

Por fim, o isométrico é o alongamento em que os músculos fazem a força contrária ao estiramento. Nesse caso, ele acaba exigindo mais da musculatura alongada. 

Em resumo, ele assume o posicionamento do alongamento passivo, contrai o músculo alongado de forma a manter essa contração por poucos segundos e depois ocorre o relaxamento. 

Dada a sua forma de realização, ele é um dos mais seguros para potencializar os movimentos articulares, sendo de grande importância para os atletas. 

Para ajudar os alunos na realização desse tipo de exercício, é comum que as academias disponibilizem um banner informativo com a ilustração dos movimentos, para que eles possam ser feitos do modo correto. 

Ao mesmo tempo, é possível encontrar vídeos e materiais na internet sobre alongamento, de maneira que não há desculpas para não praticá-los com frequência e constância. 

Considerações finais

As atividades físicas são importantes para a vida de qualquer pessoa, independentemente do porte físico, dos hábitos e dos objetivos que se quer alcançar. 

Sendo assim, começar uma rotina mais ativa é fundamental, mas ela deve estar alinhada aos exercícios de alongamento, que vão fazer toda a diferença no dia a dia, mesmo para quem ainda possui costumes sedentários. 

Dessa forma, ter a certeza de começar os alongamentos e de praticá-los com frequência é um meio de desfrutar de maior bem-estar e qualidade de vida. 

Por isso, não deixe de seguir as dicas presentes neste conteúdo e tenha mais força e flexibilidade para enfrentar as mais diversas situações da sua rotina. 

iOS: saiba tudo sobre o sistema do iPhone

Sistema é considerado um dos melhores por manter atualizações constantes.   Quem é usuário de dispositivos Apple …

O que é geladeira frost-free? Conheça a tecnologia

  Entenda as vantagens, facilidades e diferenças em relação aos outros modelos.   Quem não se lembra da bagunça …

Combinação de metal e madeira é tendência de decoração

Saiba mais sobre o estilo industrial e como aplicá-lo no seu espaço.   Combinação entre o rústico e o urbano, o …