Dicas de Fisioterapia para Pacientes e Fisioterapeutas

Leia nossos artigos. Melhore o seu estilo de vida agora!

2 pratos brasileiros que moram no nosso coração e dão água na boca

Com influência africana, indígena e europeia, culinária nacional é uma das mais diversas e ricas de todo o mundo 

 A comida brasileira é uma das características culturais mais marcantes de nosso país. Diversificada e multicultural, as opções são tantas que fica mesmo difícil identificar um único prato típico do Brasil. 

 Mesmo assim, a verdade é que alguns deles, especialmente os mais conhecidos, moram em nosso coração. Hoje te apresentamos dois deles com a história e a receita tradicional para você terminar e a leitura e ir correndo para o supermercado comprar os ingredientes para saborear estas delícias. Confira. 

Pão de queijo 

Não há quem não goste do famoso pão de queijo. De origem mineira, surgiu no século XVIII, quando as cozinheiras das grandes fazendas da época resolveram utilizar a fécula de mandioca, ao invés da de trigo, para fazer o preparo dos pães e foram acrescentando sobras e lascas de diversos queijos ralados. 

 Além disso, como os ovos de galinha e o leite bovino eram igualmente abundantes nesse contexto, estes ingredientes foram também, aos poucos, incorporados à receita até que ela ficasse como conhecemos hoje: elástica, macia e cheia de queijo. 

 Existem diversas variações de receitas de pão de queijo hoje em dia. Há quem prefira a receita sem leite, apenas com água, como era feita nos primeiros testes na época em que surgiu. Há, ainda, o pão de queijo vegano, cada vez mais popular entre os adeptos da galera fitness. Mas a receita que te apresentamos aqui é a mais popular no estado de Minas Gerais. 

 Você vai precisar de 1 copo de leite, ½ copo de água, ½ copo de óleo, 1 colher de sobremesa de sal, ½ kg de fécula, 3 ovos e 100 gramas de queijo curado ralado. O primeiro passo consiste em ferver junto o leite, a água, o óleo e o sal e despejar a mistura sobre a fécula de mandioca em um recipiente. 

 Esse procedimento é conhecido como escalonamento e, há quem diga, é o segredo do pão de queijo mineiro. 

 Depois, acrescente os ovos e por último o queijo ralado. Com as mãos limpas, amasse bem até que a mistura comece a desgrudar da mão e deixe-a esfriar. 

 Com a massa já quase fria, chegou a hora de fazer bolinhas e colocar uma forma untada para assar em fogo pré-aquecido a 180º C e deixar, sempre observando, assar por 30 minutos em média. 

Feijoada 

Tal qual o pão de queijo, a feijoada tem origem no passado colonial brasileiro. O feijão preto, grão típico da América do Sul, foi introduzido à nossa alimentação pelos povos indígenas originários do território. Já o costume de se cozinhar algum grão com carnes e legumes é um hábito europeu que tem famosos correspondentes no velho continente, como, por exemplo, o cassoulet da França e o cozido de Portugal. 

 Por fim, a junção de cortes menos nobres dos porcos, como a orelha e o pé, foi especialmente introduzida à receita pelos povos escravizados, indígenas e africanos. E assim nasceu a feijoada. O prato mais servido por aqui é a feijoada completa, que é acompanhada de arroz branco, farofa, laranja e couve. 

 Você vai precisar de: 

  • ½ kg de feijão preto 
  • 2 pés de porco cortados em pedaços 
  • 1 orelha suína fatiada em pedaços pequenos 
  • ½ kg de costela de porco cortada em cubos pequenos 
  • ½ kg de carne de porco seca cortada em cubos pequenos 
  • 400 gramas de lombo de porco sem osso cortado em cubos 
  • 300 gramas de linguiça calabresa de porco cortadas em rodelas grossas 
  • 300 gramas de linguiça de paio cortada em rodelas grossas 
  • 1 cebola picada 
  • 2 colheres de sopa de óleo 
  • 2 litros de água fervente 

 

Para o preparo, um dia antes, você deve colocar a orelha e os pés de porco em um recipiente com água fria por 24 horas e trocar esta água quatro vezes nesse período. Da mesma forma, mas em outra tigela, coloque a carne seca e a costelinha de porco para dessalgar, igualmente trocando a água quatro vezes no mesmo intervalo. 

 O feijão preto, já no dia seguinte, deve ficar uma hora de molho na água fria para eliminar o excesso de oxalato. 

 Cozinhe na pressão todos os ingredientes que ficaram de molho por um dia, mas com uma nova água. Cozinhe por quinze minutos a partir do início da pressão e retire do fogo. Escorra a água novamente e reserve. 

 Na mesma panela, refogue a cebola no óleo e junte a linguiça, o paio e o lombo, mexendo por aproximadamente 3 minutos. Depois, coloque todos os ingredientes, incluindo o feijão, e cozinhe por mais 15 minutos contados da pressão. 

 Por fim, retire a panela do fogo até sair toda a pressão, destampe-a e volte para o fogo por trinta minutos, dessa vez sem pressão. Essa receita serve até 10 pessoas. 

Como estudar para provas de concurso?

Confira dicas para se concentrar e focar nos conteúdos em que você tem mais dificuldade. 

 

Alguns órgãos públicos usam os concursos como meio de contratação de novos servidores. Este é o caso da Receita Federal e do INSS, por exemplo, ambos bastante concorridos e interessantes para os concurseiros. 

 

De qualquer forma, não importa em qual concurso você esteja interessado, é preciso se preparar para as provas. Neste caso, nada melhor que uma rotina de estudos, com foco em todo o conteúdo cobrado, mas, principalmente naquilo que você tem mais dificuldade. Está pensando em fazer um concurso público em breve? Confira dicas que vão te ajudar nos estudos. 

Saiba o que será cobrado 

O primeiro passo para começar os seus estudos é ler atentamente o edital. Ali estão especificados todos os conteúdos que serão cobrados nas provas. Com isso, você consegue definir o seu ponto de partida. 

Elabore um cronograma de estudos 

Depois de descobrir todas as matérias cobradas, é hora de organizar um cronograma. A tendência é querer iniciar pelo mais fácil, mas o melhor é ter um equilíbrio entre tudo. Então, se você tem dificuldade com leis, estude-as primeiro e feche o dia de estudos com português, caso tenha mais facilidade. 

Faça pequenos intervalos para descansar 

Um dos erros mais comuns de quem está estudando para concursos é nunca fazer pausas. Se jogar de cabeça no conteúdo é se cobrar o tempo todo para ler e estudar cada vez mais. Apesar disso, o seu corpo precisa de descanso, então, levante para tomar um café, beber água ou comer uma fruta. Pausas de 10 minutos entre cada matéria podem ajudar muito. 

Descubra o seu melhor método de aprendizado 

Cada pessoa tem uma forma de aprender as coisas. Para algumas, a leitura já é bastante esclarecedora, outras preferem apenas ouvir. Há, ainda, aquelas que precisam ser colocadas em prática, fazendo simulados. Estes modelos são conhecidos, respectivamente, como aprendizagem visual, auditiva e sinestésica. Descubra a sua e coloque-a em prática. 

Teste os seus conhecimentos 

Os exercícios das apostilas podem ajudar bastante, mas procure fazer também alguns simulados. A ideia é testar os conhecimentos e ver o que você já conseguiu assimilar. Nas questões com mais dificuldade, você encontra o que precisa ser revisado e receber maior foco. 

Tenha metas de estudo diárias  

Além de organizar um cronograma com os conteúdos para estudar, procure ter metas diárias. Exemplo: você passará duas horas focado em matemática para, em seguida, ficar uma hora focado em técnicas de redação. Com essa meta, fica mais difícil procrastinar e você se mantém focado no seu objetivo. 

Monte um cantinho dos estudos 

Esta dica é especial para pessoas mais ansiosas, que perdem o foco facilmente. Ainda assim, qualquer um pode seguir, já que um canto para estudar deixa tudo mais organizado. Pense em um local mais tranquilo da casa e coloque lá todos os materiais e uma luminária. 

Faça marcações nos textos lidos 

Caso esteja usando um livro, as marcações podem ser feitas com post it, mas se você imprimiu ou tem apostilas, a caneta marca-texto será sua aliada. Sublinhe e destaque frases importantes, aquilo que precisa mesmo ser lembrado. Vale até usar cores bem fortes para chamar a sua atenção em posteriores revisões. 

Leia resumos e provas anteriores 

Os resumos complementam o estudo mais pesado, sendo úteis em uma revisão. Além disso, também é indicado dar uma olhada nas provas anteriores. Ali você tem uma ideia de como o conteúdo é cobrado e pode colocar em prática o que já estudou. 

Evite as distrações  

Se você já tem um cantinho de estudos, provavelmente tem poucas distrações por perto. Ainda assim, é válido se manter longe da TV, do video game e até do smartphone enquanto estuda. Os aparelhos podem ser úteis mais tarde, no seu momento de lazer e descanso, também importante. 

7 benefícios para criar um blog de fisioterapia

Muitas pessoas confundem blog com site, mas eles são diferentes em seu conceito, principalmente, no que diz respeito ao …

Óleos essenciais: confira 7 benefícios

Um prontuário médico digital pode encaminhar o paciente para os mais diversos tipos de tratamentos. 

4 benefícios do pilates para idosos

A prática de pilates para idosos pode ser uma ótima indicação, tendo em vista que a atividade é uma das que melhor se …