Dicas de Fisioterapia para Pacientes e Fisioterapeutas

Leia nossos artigos. Melhore o seu estilo de vida agora!

Interior de uma clinica de fisioterapia

CLÍNICA DE FISIOTERAPIA O QUE É? E COMO ENTENDER SUAS ESPECIALIDADES?

Bom, quando se pensa em clínica de fisioterapia logo vem a mente um espaço grande, com muitos aparelhos e pessoas indo e vindo com roupas brancas e muitas macas, não é mesmo? Bom leia este artigo até o final que vou te mostrar tudo o que precisa saber sobre clínica de fisioterapia!

Mas o que precisa ficar claro é que clínica vem do verbo clinicar, que nada mais é que interpretar os sinais e sintomas que o paciente apresenta e propor e aplicar uma conduta terapêutica.

Isso pode ser feito tanto por médicos, fisioterapeutas, psicólogos, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, entre muitas outras profissões da área da saúde.

Nessa interpretação cabe o que chamamos de exames complementares, que são testes validados feitos por imagens ou por fluidos orgânicos em que podemos corroborar com os achados clínicos como testes, palpações e verificação visual. Temos hoje no Brasil uma ideia que se o médico não pede exame e ele não esta cumprindo seu papel, acha-se que o exame será a chave para resolver o seu problema, mas não é assim que ocorre.

Dentro da área da saúde temos uma máxima que diz que a clínica é soberana, isto é, os exames clínicos descritos são mais fiéis que os exames de imagens como raio-x, tomografia computadorizada, ultra som e ressonância magnética.

Isso por que muitas vezes aquele quadro apresentado não é causado pelo achado nos exames. Por exemplo, um paciente chega com uma dor na face posterior do glúteo em irradiação até o pé. A princípio qualquer profissional da área atestaria que se trata de uma dor ciática. Sendo assim, resolve-se fazer um exame de imagem, uma ressonância magnética e encontra-se uma hérnia de disco na região de L2 (segunda vértebra lombar). Com pouco estudo sabe-se que a região que apresenta a hérnia não poderia estar gerando aquele sintoma até o pé, sendo assim não é a hérnia que esta gerando aquele problema. E isso é muito comum.

Clinicar é diferente de ter uma clínica

Quando pensamos em clinicar precisamos estar em dia com nossos estudos e sabermos de ato o que cada sinal e sintoma quer dizer, e caso tiver um exame de imagem saber relacionar e ver se a imagem de fato corresponde aos achados clínicos.

Pois, ultimamente muitos profissionais se baseiam tanto na imagem que esquecem da máxima e acabam fazendo diagnósticos equivocados gerando aborrecimento e prejuízo ao paciente e, ao mesmo tempo frustração e desconfiança para com o profissional.

Sendo assim a ideia de uma clínica diminuta e altamente especializada esta muito mais próxima da realidade clinica do que uma clínica grande onde não se tem o olhar especializado para cada pessoa e não saiba exatamente o que fazer, aplicando protocolos pouco coerentes e resolutivos, gerando um grande numero de consultas e baixa resolutividade comprometendo o trabalho de outros profissionais da mesma área que acabam ficando desacreditados.

Nossa clínica

Nossa clínica de fisioterapia tem a finalidade de entender e tratar o paciente de forma exclusiva e personalizada, e entendemos que a independência do paciente é nossa maior conquista, pois se o paciente cria dependência do tratamento, o que em alguns casos é inevitável como manutenção, ele não estará empossado e consciente da própria saúde.

Por isso temos na nossa clínica a premissa de que após melhora de 80 a 90% dos sintomas, normalmente conseguidos após algumas consultas em maca o paciente precisa aprender sobre o seu problema, fazendo aquilo que será bom para evitar novas recidivas, assim como evitar fazer coisas que possam gerar novamente o problema.

Portanto o atendimento especializado e personalizado é a chave para que nosso serviço seja tão bom com uma taxa de resolutividade acima de 90% dos pacientes que nos procuram e seguem o tratamento até o final.

Não existe magica na anatomia e na biomecânica, é importante que isso seja claro para que a responsabilidade da melhora seja distribuída em partes iguais entre o terapeuta e o paciente, assim, com esse engajamento qualquer problema não cirúrgico fica fácil de resolver.

Fisioterapia no futuro

Entendo que a fisioterapia esta saindo do armário, no sentido de que até a pouco tempo atrás vivíamos como uma profissão de segunda mão. Isso quer dizer que só éramos tidos como úteis após uma indicação médica.

Então não é necessariamente verdade, claro que podemos ser indicados por um medico assim como podemos indicar o paciente a um medico caso não não esteja sobre nossa tutela o tratamento dele, mas o que esta acontecendo e com muita alegria e confiança da minha parte é que o fisioterapeuta cada vez mais esta sendo visto como um profissional de primeiro contato, o que ao meu ver é o mais correto a ser feito.

Seja para facilitar os serviços de saúde ou para escalonar a partir dos serviços mais básico o fisioterapeuta tem o papel de ser o primeiro profissional a ser procurado nos casos de dores e problemas ortopédicos e traumáticos, este ultimo de pequena monta.

Por que a conduta do tratamento fisioterapêutico é muito menos agressiva ao organismo que a conduta medica de forma geral, pois caso o paciente melhore sem a ingestão de remédios e com condutas que vão lhe ensinar a lidar com a questão, então essa conduta foi menos danosa para sua saúde presente e futura.

Não que os médicos não devam ser consultados em casos de dores mas normalmente a conduta medicamentosa não trata o problema em si, e sim os sintomas, diferente da conduta do fisioterapeuta que ira entender e propor uma reversão do quadro por meio dos mesmos canais ao qual ele se lesionou, ou seja, do seu ambiente e cotidiano.

Por meio de tudo isso o fisioterapeuta esta se valorizando como profissional, tanto na sua condição inerente de ser consultado em primeira mão, o que por si só já configura uma posição de valorização da sua conduta, quanto da remuneração e do valor cobrado pelas consultas, que certos profissionais por não terem a confiança ou o conhecimento necessário acabam por se desvalorizar ao ponto de não valer mais a pena ficar na profissão.

Acho que no futuro a fisioterapia será cada vez mais presente e crescerá como a principal profissão ao se tratar de dores e com isso ganha-se todos. A população por ter opções mais sadias e resolutivas para suas pendencias, o fisioterapeuta pelo papel de tratar e principalmente ensinar o paciente sobe seu problema biomecânico e os médicos por não terem pacientes que voltam sem melhoras aos seus consultórios queixando-se da profissão como um todo.

ESPECIALISTA EM OSTEOPATIA, QUIROPRAXIA E ACUPUNTURA

Como a fisioterapia pode ajudar quem trabalha home office

Você já parou para pensar como a fisioterapia pode ajudar quem trabalhar home office?

A pandemia de coronavírus fez com que muitas pessoas tivessem que começar a trabalhar remotamente. Tivemos grandes mudanças nos últimos meses, passamos a ver diariamente notícias sobre teste de coronavírus, cobertura de plano de saúde corporativo e assim por diante.

Porém, quer você trabalhe em casa em tempo integral, remotamente, ou porque está isolado durante a pandemia de COVID-19, é provável que você passe a maior parte do tempo na frente da tela do computador.

Uma estação de trabalho em sua casa pode consistir em sentar no sofá ou deitar na cama com seu laptop, por exemplo.

Embora trabalhar em casa possa parecer confortável, os fisioterapeutas indicam que isso pode aumentar os riscos de desenvolver dor, desconforto e lesões, o que pode levar a distúrbios musculoesqueléticos.

Na realidade, você pode não ter acesso aos equipamentos ergonômicos que utiliza diariamente no local de trabalho. Mas ainda é vital considerar a ergonomia da estação de trabalho doméstica para evitar lesões. 

Você pode fazer algumas pequenas mudanças em seu ambiente de trabalho e hábitos que irão reduzir o estresse em seu corpo e aumentar sua produtividade.

Continue a leitura para entender melhor como a fisioterapia pode ajudar quem trabalha home office. 

O que é fisioterapia? 

A fisioterapia é a ciência do movimento. Como profissionais de saúde, os fisioterapeutas auxiliam as pessoas na prevenção de lesões, na reabilitação após um acidente e no tratamento de diversos sintomas de doenças e deficiências. 

Eles se concentram em restaurar e otimizar a força, a função e o movimento por meio de terapia prática, várias técnicas e planos de exercícios. Eles podem ajudá-lo a se tornar mais forte, mais móvel e flexível, permitindo que você retome suas atividades normais, mantendo-o saudável e ativo. 

Não hesite em consultar um fisioterapeuta se precisar de ajuda com sua postura, flexibilidade, dor crônica, limitação física devido a deficiência ou doença e recuperação pós-parto. 

Eles visam promover saúde e bem-estar em suas pacientes, certificando-se de seu corpo é bem equilibrado e não compensa traumas anteriores, má postura ou desalinhamento. 

Os problemas que eles podem resolver incluem dores no pescoço e nas costas, lesões nos ossos, articulações, músculos e ligamentos, perda de mobilidade e força muscular. 

Eles podem até ajudar com problemas pulmonares relacionados a doenças respiratórias e problemas pélvicos após o parto.

Como a fisioterapia ajuda funcionários

A maioria das reclamações dos funcionários, principalmente os que trabalham home office, se origina do círculo vicioso que acompanha o trabalho em um ambiente inadequado. 

As pessoas desenvolvem fraquezas e dores leves por causa da mobília não ergonômica e da má postura, então fazem um esforço extenuante ao praticar um esporte ou movimentar coisas, o que leva a uma lesão aguda, que nunca é tratada adequadamente, e o círculo continua. 

Lesões agudas (inflamatórias) e lesões crônicas (mecânicas)

Existe uma distinção entre lesões agudas / inflamatórias e lesões crônicas / mecânicas. Por exemplo, uma lesão aguda seria jogar suas costas ao levantar uma caixa pesada. 

A fase inflamatória de tal lesão durará entre 3 e 7 dias, durante os quais seu corpo mudará a forma como funciona para compensar a lesão e reduzir a dor. Se não for tratado, isso cria uma tensão nas peças de compensação e causa danos mecânicos duradouros, que resultam em fraquezas. 

Esses pontos fracos o colocarão em risco de sofrer outra lesão aguda. A alternância entre essas fases agudas e a de reabilitação resulta no desenvolvimento de dor crônica, que pode se tornar intensa e diminuir sua qualidade de vida. 

Lesões generalizadas em funcionários home office estão relacionadas ao seu ambiente de trabalho. Um mouse não ergonômico e a altura do teclado podem causar tensão na omoplata ou síndrome do túnel do carpo, o que causa dormência nas mãos. 

Ficar sentado por muito tempo em uma cadeira mal ajustada pode fazer seu disco espinhal se comprimir, causando dores nas costas. Um monitor na altura errada pode causar dor cervical e, eventualmente, osteoartrite. 

Dores de cabeça e enxaquecas geralmente estão relacionadas à maneira como seu corpo se ajusta à configuração de trabalho. 

Abordar os problemas mencionados acima antes de criar danos de longo prazo que podem levar anos para serem revertidos é vital para se manter saudável a longo prazo. 

Consultar um fisioterapeuta é um passo inteligente para manter a dor sob controle e permanecer produtivo no trabalho.

Conclusão

Lesões relacionadas ao trabalho devem ser levadas a sério e os trabalhadores de home office muitas vezes esquecem disso. 

Além disso, o evento desencadeador muitas vezes acontece fora do local de trabalho, embora as fraquezas subjacentes tenham sido desenvolvidas por causa de móveis de escritório mal ajustados.

Garantir que o ambiente do seu escritório em casa seja ergonômico é crucial, mas não hesite em obter ajuda adicional de um fisioterapeuta para manter o corpo mais saudável possível. 

Esperamos que, depois deste artigo, tenha ficado claro para você como a fisioterapia pode ajudar quem trabalha home office. Lembre-se, cuidar da sua saúde e bem-estar é essencial. 

 

Mulher aplicando spray na perna.

Como prevenir as lesões na musculação e no esporte?

Muitas pessoas só recorrem a musculação para fortalecer e tornear os músculos, mas essa prática ajuda em diversos outros aspectos. O que poucos sabem é que essa prática ajuda na prevenção de lesões e no tratamento das mesmas.

Mesmo com a rivalidade estipulada de fisioterapia e musculação, é cada vez mais comum vermos fisioterapeutas atuando em academias e espaços de musculação.

Existem vários tipos de lesões que possuem uma variedade de causas. As lesões podem ter incidência nos tendões, articulações, ossos, ligamentos e nos músculos.

São comumente causadas por acidentes cotidianos e pela prática esportiva, por meio de uma atrofia, encurtamento, exagero de peso, prática excessiva e desequilíbrio muscular, que pode encadear em quedas, na perda de dentes e assim, na adesão do implante dentário.

Como dito, as lesões possuem diversos tipos, esse fato faz com que seja difícil estipular uma ação preventiva exata. Contudo, o fortalecimento do corpo e o ganho de maior resistência ajuda a evitar essas ocorrências, uma vez que o corpo consegue suportar baques e quedas de maior intensidade e ganha um maior equilíbrio e preparativo.

Prevenção de lesão na musculação

Pessoas que possuem os músculos dorsais e abdominais sem força, são as mais suscetíveis para sofrerem uma lesão na região das costas ou uma irregularidade na coluna, complicações que podem se agravar e desencadearem problemas como hérnia de disco e artrose.

Na idade avançada, lesões causadas pela osteoporose, redução de equilíbrio, e atrofia muscular são casos ainda mais comuns, assim, a musculação atuaria na ajuda, além do fortalecimento dos músculos, no ganho de maior flexibilidade e de massa óssea.

  • É através de exercícios que promovem a força e resistência que conseguimos adquirir tais efeitos.
  • É por meio da musculação que se consegue desenvolver a noção de certas movimentações cotidianas, que quando executadas podem encadear em lesões, como o ato de agachar e carregar peso.
  • É somente se preparando, concertando a postura e evitando certas posições que prevenimos com eficiência tais lesões. A prevenção de lesões na musculação é semelhante à do esporte, veja:

Prevenção de lesão no esporte

Em certos esportes e algumas atuações profissionais, alguns músculos são especificamente mais utilizados do que os demais, fazendo, com a prática demasiada, que haja a sua exaustão e o desequilíbrio muscular, que pode levar as lesões.

Qualquer seja a atividade física que necessite de um impacto; tênis, basquete ou futebol, a única prevenção possível para evitar danos causados pelo impacto é um músculo bem desenvolvido e fortalecido no momento.

Caso esteja no início da prática procure por um acompanhamento de um personal trainer, ao mesmo tempo que a prática de esporte e da musculação podem prevenir lesões elas também podem as motivar caso não haja a sua execução correta, ou até mesmo procure um ortopedista especialista que irá lhe auxiliar o que melhor convém para suas atividades físicas.

Lembre-se que para uma boa prática outros fatores são importantes, como uma boa alimentação e hidratação, que também são necessários para a boa condição corporal e essenciais para sua manutenção e para a prevenção de problemas internos e externos.

Homem realizando a Acupuntura

Confira 5 benefícios alcançados com o tratamento da acupuntura

A acupuntua é um tratamento milenar tradicional. Ela faz parte da medicina oriental, e sua atuação de dá de diferentes formas por todo o corpo.

O seu funcionamento ocorre através da estimulação de pontos anatômicos, os chamados “meridianos energéticos”. Estes pontos são importantes para o funcionamento do chi (sua pronuncia é “ki”), que seria uma espécie de força vital que circula por nós. O tratamento, quando devidamente aplicado, Oferece o alívio de dores e de muitas doenças, pois o enquilíbrio é então restaurado, e agora se encontra em sintonia com a natureza.

São muitas as formas que os pontos podem ser estímulados. Uma delas, e também a mais conhecida, seria atravez da inserção de agulhas na superfície da pele e por todo o corpo, na localidade dos meridianos.

Independente do tratamento ou da técnica escolhida, é certo que a acupuntura tem a capacidade de fornecer alívio a dores e muitas outras doenças. Muitos estudos apontam para este direcionamento, e é por isso que a Organuização mundial da Saúde reconheceu a acupuntura como um tratamento auxiliar aos tratamentos já conhecidos da tradição ocidental.

Introduzido ao tema, confira então os benefícios e aívios de sintomas que a acupuntura pode oferecer:

  • Emagrecimento e regulação do metabolismo:

Segundo a medicina chinesa, seria o desequilíbrio dos órgãos e de glândilas responsáveis pela fome que fazem o paciente chegar à obedidade. Os níveis hormonais e da taxa de açúcar seriam os indicadores.

Uma possível perturbação neste sistema faz o paciente sentir uma fome maior que o normal, mas o nosso sistema não está preparado para lidar com este excesso.

Mas a acupuntura veio para contornar este problema. O trataento da acupuntura veio para reguar e ajudar a reestabelecer o equilíbrio do corpo atravez da etimulação nos pontos indicados no baço e fígado. O pâncreas também pode ser estimulado, o que ocasiona a liberação da glicose e tireoide, controlando assim uma cadeia de hormônios importante.

A acupuntura também é eficaz no tratamento de rins e do órgão excretor, o que ajuda a eiminar devidamente todas as toxinas e líquidos acumuados polo nosso corpo.

  • Combate a ansiedade, estresse e depressão

O equilíbrio do corpo também pode ser conquistado com a regulagem dos hormôios do corpo. O efeito positivo dos hormônois e a sensação de bem-estar são frutos do sucesso do tratamento.

  1. Ferla, especialista na técnica em Curitiba, comenta que a técnica da acupuntura e o seu funcionamento ainda não estão completamente desvendados pela ciência, mas existem muitos estudos que apointam a acupuntura como uma técnica capaz de produzir um relaxamento profundo. Os estímulos que são causados geram uma sensação boa e tranquilizante a cada um que experimentar os seus efeitos.
  • Desconfortos e dificuldade para dormir

A insônia é um probema muito grave que afeta a toda a nossa sociedade hoje. Com as rotinas estressantes que parecem durar o tia todo, na verdade acabam por se estender até ongos períodos durante a noite.

Como o tratamento da acupuntura auxuilia o paciente a restaurar o seu equilíbrio corporal e mental, a sua sintonia com a natureza e o seu ciclo de sono normal teoricamente também deve ser restabelecido.

Pacientes com dores exaustivas e dores crônicas também serão atendidos.

  • Dores lombares e no joeho

Ao longo de toda uma vida, estima-se que 85% de toda a popuação mundial irá passar, em agum momento, por dores na coluna. O principal ponto dentre elas, seria na região lombar.

Sendo a dor nas costas as consequências muitas vezes de uma vida dotada de maus hábitos, estas dores também podem estar reacionadas a sistema múscoloesqueético. A dor musculoesquelética pode ser causada por doenças nos ossos, articulações, tendões, músculos,ligamentos ou uma combinação destes quadros clínicos.Seriam as lesões a causa mais comum de toda a dor. A dor óssea é geralmente profunda, penetrante ou surda.

  • Problemas associados ao sistema digestivo

O alívio de problemas estomacais, tais quais como vômitos e náuseas, azia e má digestão podem ser tratados por meio da acupuntura. Muitos pacientes que são encaminhados ou buscam a acupuntura já acompanham de algum quadro clínico variável. Pacientes gestantes que sofrem com dores e probemas relacionados, mas que podem ser tratados. Um outro exemplo seriam os pacientes com câncer e que são tratados com a quimioterapia. Normamente, o tratamento gera muitos efeitos colaterais, mas que podem ser em algum nível aiviados com o tratamento auxiliar da acupuntura.

dor no tornozelo

Dor no Tornozelo: Causas e Tratamentos

Introdução

Você já teve dor no tornozelo? Se sim sabe como é limitante e como é difícil levar uma vida normal com isso, já que o tornozelo é a articulação que recebe todo o peso e também se adapta a cada passo que damos. Se não, ótimo continue assim e siga o artigo para entender como preservar essa articulação tão importante.

Conhecendo o Tornozelo

A articulação do tornozelo está localizado na extremidade inferior dos membros inferiores, logo acima dos pés. Ele é delimitado pelo osso Tálus do pé e pela pinça maleolar, extremidades inferiores dos ossos, Tíbia e Fíbula (antigo perôneo), que atuam, como foi dito, como uma espécie de pinça, delimitando as laterais dessa articulação e “segurando” o Tálus limitando o movimento no sentido latero lateral.

Por ser uma articulação de grande estresse mecânico o tornozelo tem em sua formação uma forte rede de ligamentos e músculos que atuam na sua estabilidade, pois como dissemos, os ossos da pinça maleolar atuam apenas na limitação de movimentos latero laterais, sendo os movimentos em outros sentidos sendo limitados por músculos, tendões e ligamentos.

Sendo assim, essa articulação tem por função a adaptação e direcionamento de toda a força descendente, que seria a força do peso de todo o corpo, com a força ascendente, que seria a força oriunda do peso sobre o chão, que gera justamente a pressão sobre a articulação, que por muitas vezes não tem uma linha de força retilínea, por conta do piso e do calçado a ser usado.

Portanto, o tornozelo é uma articulação extremamente adaptável as condições do terreno, e para tanto ele possui uma rica inervação, responsável pela propriocepção corporal, sensação de posicionamento e correções de padrões potencialmente lesivos.

Quais são as principais causas de dor do tornozelo?

Problemas de pisada

De modo geral a pisada tem 3 posições clássicas de posicionamento, sendo elas:

imagem sedida pelo site: https://helpmyfitness.wordpress.com/2015/07/28/tipos-de-pisada-e-como-influenciam-na-corrida

Normal ou Neutra: Nessa pisada a parte posterior do pé (retropé), a parte do meio (mediopé) e a parte anterior do pé tem uma atuação equilibrada, sendo o retropé responsável pela recepção do pé ao chão, isto é, pelo peso do corpo tocando o solo. O mediopé tem a função de distribuir a força gerada pela recepção do pé através dos ossos do tarso, e o antepé tem a função de impulsionamento, gerado pela ação dos músculos posteriores da perna, como o gastrocnêmio, sóleo e flexores do tornozelo e dedos dos pés.

Supinado: Nesse caso o pé tem a característica de deslocar o centro de gravidade mais para a parte lateral do pé, sendo assim o médiopé quase não toca o solo, cabendo assim ao antepé e ao retropé fazer toda a função da marcha. Nesse caso a pessoa tende a ter o arco longitudinal do pé retraído pela ação dos músculos e acomodação das fáscias plantares, assim como o encurtamento do musculo tibial posterior, erguendo e sustentando o arco plantar mantendo a pisada supinada. Nesse caso o tratamento seria justamente nesses músculos que fixam essa característica.

Pronado: Na pisada pronada ocorre o desabamento do arco longitudinal, ou seja, do mediopé. Sendo assim, a pisada vai ter um deslocamento de força voltado para a parte medial do pé, fazendo com que essa região sofra mais com o peso excessivo aplicado sobre ele. Os músculos plantares e os músculos tibiais posterior que no caso do pé supinado estavam encurtados, nesse caso estarão fracos, sendo assim o tratamento será em atuar no fortalecimento e consequentemente aumento do tônus desses músculos.

Tanto na pisada supinada quanto na pisada pronada há uma adaptação fisiológica do tornozelo, acompanhando esse padrão e gerando aumento de pressão, ou seja, aumento do estresse mecânico em partes específicas do tornozelo, onde haverá maior probabilidade de gerar dores. Sendo assim:

Pisada Supinada: A pressão no tornozelo acaba por incidir mais na parte medial do tornozelo, podendo gerar dores ou desgaste precoce dessa região em comparação a marte lateral. Por consequência o joelho tenderá a ir para uma posição de Varo, onde também há maior desgaste da face articular mais medial dessa articulação.

Pisada Pronada: A pressão no tornozelo se dará na parte mais lateral, aumentando a incidência de dores ou também o possível desgaste precoce dessa região. Assim como a tendência do joelho a ir para uma posição de Valgo, em que a pressão também incide sobre a face mais lateral dessa articulação, podendo das dores ou mesmo os desgastes precoces da região, assim diz o médico especialista em Joelho.

Entorses

Casos de entorses são os mais comuns a atingir a articulação do tornozelo, justamente pelo que foi explicado acima, como a adaptação da articulação do tornozelo aos diferentes terrenos e sua alta carga de trabalho gerado pelo peso do corpo, esse tipo de problema acaba por ter uma alta taxa de recidiva, ou seja, de repetição da lesão. Uma vez que os ligamentos que se lesionam uma vez não voltam a ter seu tamanho original, ficando como uma gola de camiseta esgarçada, o que permite que o movimento lesivo ocorra com enorme facilidade. Sendo comum haver relatos da pessoa após um entorse forte ter outros mesmo que estejam parados sem qualquer tipo de esforço sobre.

Dependendo da pisada como visto acima, a tendência de um entorse se intensifica. Seguindo o mesmo raciocínio desenhado acima a pessoa que possui uma pisada supinada terá uma facilidade maior a ter um entorse em inversão, em que o pé gira levando o dorso do pé para a parte lateral e a sola para a parte.

Leia também : FASCITE PLANTAR, O QUE É E COMO IDENTIFICAR?

Os entorses são classificados de acordo com seu grau de comprometimento dos ligamentos que sustentam a articulação, sendo:

Entorse de Grau 1: Ocorre micro lesões nos tecidos ligamentares gerando, portanto inflamação porem sem prejudicar a capacidade estabilizadora da articulação.

Entorse de Grau 2: acontece a ruptura parcial do ligamento. Nesse caso além do processo inflamatório ocorre prejuízo a estabilidade do tornozelo, que como visto acima, quando lesionado perde de forma definitiva sua capacidade estabilizadora, dependendo agora da musculatura adjacente cumprir essa função.

Entorse Grau 3: no grau 3 ocorre a ruptura total dos ligamentos, sendo na maioria dos casos indicados procedimentos cirúrgicos. Porem em alguns casos não havendo essa possibilidade faz-se o procedimento citado no (entorse) de grau 2, que é a reabilitação da estabilidade da articulação através da ativação muscular adjacente.

Problemas e Inflamações

Algumas condições podem afetar a articulação do tornozelo, sendo mais comuns nos casos descritos acima como pisadas supinadas e pronadas, porem essas patologias podem aparecer por diversos fatores como condições metabólicas (dietas e hábitos de vida), estresses mecânicos ou movimentos repetitivos, síndromes reumatológicas, que consiste em patologias desencadeadas pelo mau funcionamento do sistema imunológico do corpo, o sistema de defesa.

Entre as condições mais comuns estão:

Tendinopatias: A tendinite é a patologia que afeta os tendões, gerando as características de dor, calor, rubor e tumor (edema). A tendinite pode afetar qualquer tendão porem por questão de uso acomete mais os tendões calcâneos, tibial anterior e posterior e os fibulares longos. A evolução da tendinite mal cuidada ou a repetição constante dessa inflamação pode gerar uma condição chamada tendinose, onde o tendão perde sua capacidade estrutural ficando frágil e susceptível a rompimentos.

Gota: Condição gerada pelo aumento do acido úrico no sangue, causado principalmente pela dieta rica em ácidos graxos (gordura), assim como o uso excessivo de álcool e outros componentes metabólicos. A gota gera além da inflamação uma descamação da pele no local afetado.

Artrite: Comumente falando a artrite é a nomenclatura usada para designar qualquer tipo de inflamação articular, porém na prática clinica associa-se a artrite a uma condição reumática, isto é, um defeito do sistema imunológico onde o corpo ataca tecidos sadios das articulações provocando dores e inflamação. Essa condição pode pré dispor um desgaste precoce da articulação do tornozelo, devido à mudança gerada pela inflamação no Ph do líquido sinovial. Esse desgaste se acentua ainda mais por se tratar de uma articulação com alto grau de suporte de peso.

Artrose: A artrose é o nome dado ao processo degenerativo da articulação, mais comumente chamado de desgaste. Esse processo pode ocorrer por diversos motivos, sendo os principais o mau alinhamento articular, causado, por exemplo pelas pisadas em que o peso se dá de forma assimétrica na face articular. Pode também como dito no item, artrite, ser causada pela mudança do Ph do líquido sinovial fazendo com que este perca sua capacidade de lubrificação forçando a articulação a friccionar de forma mais áspera e agressiva chegando a perder a cartilagem e passando a articular osso com osso.

Bursite: A inflamação de um ou ambas bursas pode causar dor nas regiões do calcanhar e do tornozelo posterior principalmente próximo ao maléolo medial. A síndrome de Haglund é uma condição intimamente associada a bursite do tendão calcâneo e é geralmente associada com uma deformidade óssea.

Como aliviar a sensação dolorosa?

Quando a inflamação está em sua fase mais aguda, isto é, em sua fase mais recente, cerca de até 10 dias do início dos sintomas ainda se faz o uso isolado da compressa de gelo no local. O gelo é um poderoso anti-inflamatório e ajuda a eliminar o edema acelerando o processo de cicatrização dos tecidos. É importante lembrar porem que a fase aguda pode vir numa condição chamada de subaguda, que é o retorno de um quadro agudo sobrepondo uma lesão cronificada. O quadro agudo se caracteriza pela inflamação clássica já descrita acima.

Quando a lesão está em sua fase crônica, sendo assim sem as características inflamatórias agudas, ela apresenta um aspecto mais enrijecido e com o edema na sua forma gelatinosa, fazendo o clássico sinal de cacifo. Nesse caso o ideal é fazer o choque térmico na articulação, revezando de forma sistemática, por no mínimo 3 vezes de 5 a 10 minutos a compressa de gelo e a de calor, fazendo assim uma verdadeira bomba de vasodilatação e vasoconstrição, aumentando a vascularização local com o calor e em seguida drenando o resíduo inflamatório durante a fase gelada.

Sempre que se usa gelo ou calor é preciso ter em mente que o gelo é muito dolorido, aumentando a sensação de dor já presente, porem deve ser mantido e feito com um pano que protege a pele contra danos. A fase do gelo deve ser feita com gelo real e não compressas prontas, pelo fato dê o gelo real colocado em um pano permite que o quebremos e assim ele aumenta a superfície de contato com a pele, ocupando cada espaço entre os acidentes anatômicos do local, coisa que seria impossível com a placa de gel regida. A fase de calor é importante ter cuidado para não colocar muito quente na pele já que com a fase fria ocorre a desensibilização local e muitas vezes perde-se a referência de quente. Ambas as compressas devem ser amarradas à articulação para que o efeito seja potencializado.

Qual o tratamento para problemas no tornozelo?

Homem com tornozelo torcido

Primeiramente é preciso fazer o controle da inflamação, atuando com medicamentos, fisioterapias e as já citadas compressas. Após essa etapa deve-se analisar qual a patologia que está presente e atuar especificamente para cada uma delas.

Por exemplo, se for ago metabólico como a gota ou imunológico como a artrite a dieta e os hábitos de vida estão diretamente ligadas, sendo assim o uso de medicamentos pode ser um grande aliado.

Nos casos de artrose existem condroprotetores que diminuem a perda de cartilagem prolongando a integridade da superfície articular. Em casos como traumas o uso de medicamentos para controle da dor pode ser usado.

Porem em nenhum desses casos a medicação deve ser a única saída, porque o remédio tratará apenas os sintomas e não a causa dessas condições.

No caso de pisadas irregulares é importante o fortalecimento ou o alongamento de músculos específicos e até mesmo o emagrecimento, como descrito acima, corrigindo, as vezes com o auxílio de palmilhas corretivas proprioceptivas, o apoio do pé no chão.

Bandagens funcionais, tapings e tornozeleiras são ferramentas de uso temporário, sendo importantes em algumas etapas, mas devem ser sempre orientadas por um fisioterapeuta habilitado, pois seu uso indiscriminado ou continuado sem necessidade promove mais malefícios que benefícios.

Cirurgias podem ser uma opção em alguns casos, porém são minoria e com um bom tratamento convencional se limita a casos extremamente graves.

O que ajuda a prevenir problemas no tornozelo?

Exercícios físicos de fortalecimento associados a treinos proprioceptivos são a chave para que o tornozelo esteja preparado para os diversos desafios apresentados pelo dia a dia. Não confundir corrida, bicicleta, futebol e tênis com exercícios de fortalecimento, pois nos casos de praticantes de esportes o treino ativo de força se torna ainda mais indicado já que o esforço envolvido e os riscos de lesão se elevam consideravelmente nesses casos.

Em caso de dúvidas entre em contato conosco que teremos prazer em ajudá-lo.

Qual Esporte Escolher Para Evitar Dor nas Costas?

Você sabia que quatro em cinco pessoas sofrerão em algum momento de suas vidas de dor nas costas?

Mas isso não significa que você deve evitar atividades físicas, muito pelo contrário. Para evitar a dor nas costas, uma recomendação: movimentar-se.

Os profissionais são unânimes em afirmar que a regularidade é essencial, e recomendam atividades físicas pelo menos três vezes por semana, de trinta a quarenta minutos, obviamente de intensidade moderada.

Caminhar, correr, nadar, pedalar, dançar…qual esporte é mais indicado para quem tem problema de coluna ou quer evitar ter?

Por que atividades físicas são importantes

Seja para quem já sofre de dores nas costas ou deseja prevenir problemas na coluna, saiba que as atividades físicas podem ajudar bastante.

Isso porque fortalecem e alongam os músculos, minimizando assim a pressão exercida em outras estruturas, como os discos e ligamentos.

Agora, algumas precauções são necessárias antes, durante e após os exercícios, pois senão em vez de ajudar, vai acabar piorando.

Por exemplo, fazer aquecimento antes de praticar um exercício e alongar o corpo ao final.

Qual esporte escolher para evitar dor nas costas?

Em primeiro lugar, lembre-se sempre antes de começar qualquer atividade física, conversar com seu médico para saber qual esporte é mais adequado para a sua condição.

Mesmo que você tenha algum problema na coluna, isso não é desculpa para não se exercitar.

Apenas tome cuidado por que certos esportes podem agravar o problema.

Selecionamos aqui os esportes mais indicados para evitar dor nas costas:

Caminhar

A caminhada pode ser feita sozinha ou em grupo e traz muitos benefícios à saúde.

Fortalece nossos músculos e nossa capacidade respiratória, mobiliza as articulações, reduz o risco de doenças cardíacas, fortifica os ossos, ativa a circulação sanguínea, entre outros.

É importante estar vestido adequadamente, com roupas leves e tênis apropriados para caminhada.

Dançar

A dança promove movimentar praticamente com todo corpo. E como existem várias modalidades, com certeza você encontrará com a qual mais se identifique.

Apenas tome cuidado para evitar lesões no joelho, mas dançar no seu ritmo, ajuda a evitar dor nas costas.

Nadar

O grande diferencial da natação é que se trata de um esporte de baixo impacto, sendo uma atividade onde a pressão exercida sobre os discos vertebrais é mínima.

A hidroginástica também é uma outra ótima opção, pois alivia o peso do corpo sobre a coluna.

Musculação

Se você tem problemas na coluna, a musculação é outra atividade física indicada.

Para que a coluna fique estável, é preciso fortalecer a musculatura do core, abdômen, quadril e lombar, o que é possível com a musculação.

Apenas preste atenção para não sobrecarregar um grupo muscular em detrimento de outro, ou seja, é preciso encontrar um equilíbrio.

Pedalar

Para quem sofre de dores nas costas, é recomendado usar uma bicicleta ergométrica, pois possibilita o ajuste.

Dessa forma, a coluna se mantém na sua posição natural, ao mesmo tempo que fortalece os músculos do quadril.

Pilates

O pilates está muito em alta, especialmente entre quem apresenta problema na coluna, pois não coloca em risco os músculos das costas.

Como a área do abdômen é bastante trabalhada no pilates, por sua vez, não traz efeito prejudicial à coluna.

Lembrando também que, é um tipo de exercício que ajuda a manter uma postura adequada.

Independentemente da atividade física, é primordial manter uma boa postura, pois é uma maneira de preservar a sua coluna, evitar o desgaste dos discos e articulações, ajudando a prevenir dor e outros problemas.

Quais cuidados com a coluna na prática de exercícios

As dores na coluna podem ser decorrentes de vários fatores, desde uma postura incorreta, uma sobrecarga ou um processo degenerativo.

É essencial seguir as orientações de um profissional habilitado caso você já tenha um problema instalado, como por exemplo um médico especialista em coluna.

E quais os cuidados com a coluna?

  • Aquecer antes dos exercícios;
  • Manter a postura correta;
  • Não sobrecarregar nos pesos;
  • Faça intervalos entre os treinos para o corpo se recuperar;
  • Use roupas confortáveis e tênis adequados;
  • Alongar após as atividades físicas.

São cuidados básicos que ajudam bastante a preservar a saúde da coluna e não gerar problemas mais graves.

Então, se você sofre de algum problema na coluna ou sente dores, não deixe de se exercitar, mas busque pelos exercícios certos e com orientação correta.

Como usar o alho para aumentar a imunidade?

O alho (Alliumsativum) é um alimento funcional que auxilia na melhora do metabolismo e previnediversos problemas de saúde.

Com ação anti-inflamatória, antioxidante, antimicrobiana e antifúngica, apresenta vários efeitos benéficos, contribuindo inclusive para aumentar a imunidade.

O principal composto ativo do alho é a alicina, responsável pela maioria das ações biológicas na defesa do organismo. Porém, já foram identificados cerca de 30 componentes do alho que apresentam efeito terapêutico.

Essas substâncias incluem enzimas, como a alinase, compostos sulfurados, destacando-se a alina, vitaminas A, B1, B2, C e minerais como cálcio, enxofre, iodo, magnésio, selênio, sódio e zinco.

Seu uso como tempero já é difundido há mais de cinco mil anos, assim como seu uso medicinal, sendo um dos primeiros fitoterápicos que se tem registro.

É verdade que o alho aumenta a imunidade?

Considerado um auxiliarna prevenção de doenças e na manutenção da saúde, diversos estudos científicos comprovam que o alho é também um potente estimulante do sistema imunológico.

Observou-se que o Alliumsativum L. pode estimular tanto imunidade celular quanto a humoral.

O principal componente responsável por essa atividade é a alicina, um aminoácido sulfurado, com ação antioxidante, antimicrobiana, antifúngica, antitumoral e imunomoduladora.

Os efeitos imunomoduladores do alho aumentam a atividade de macrófagos, células natural killer(NK) e a produção de células T e B. Dessa forma, o alho pode reduzir a duração e a gravidade das infecções, especialmente do trato respiratório superior, justificando seu uso contra gripes e resfriados.

Na literatura científica podemos encontrar estudos que revelam que o extrato aquoso de alho aumentou significativamente a contagem de leucócitos totais, a atividade de linfócitos T e a concentração da interleucina-2.

Pesquisadores observaram também que a ingestão desse fitoterápico estimula a diferenciação de células Th0 em Th1 e aumenta a função de células NK.

O Alliumsativum L. também mostrou efeitos imunológicos positivos em pacientes imunocomprometidos portadores do HumanImunodeficiencyVirus (HIV). Estudo em ratos mostrou que o extrato de alho fresco aumentou significativamente as células NK nesses animais, elevando assim sua capacidade de eliminação de células cancerígenas.

O composto alicina também demonstrou possui atividade contra uma vasta gama de bactérias Gram – negativas e positivas, incluindo Escherichia coli, além de atividade antifúngica, particularmente contra Cândida albicans e atividade antiparasitária contra os principais protozoários parasitas intestinais humanos, como Entamoebahistolytica e Giardialamblia.

 

Como usar o alho para aumentar a imunidade?

A melhor forma de consumir o alho e aproveitar suas propriedades é cru ou em cápsulas de óleo de alho, pois o alho cozido não apresenta os mesmos efeitos do alho fresco.

 

Quando submetido ao aquecimento, a ação da alicina é reduzida, bem a dos demaisprincípios ativos do alho que são muito sensíveis ao calor.

 

 

Para quem não gosta do consumo do alho na forma crua, pode-se ingerir na forma de cápsulas de óleo de alho. Além de praticidade, não se tem o sabor e cheiro característico do alho durante a ingestão.

 

De forma geral, os suplementos de alho são bem tolerados e podem ser consumidos como uma opção para auxiliar na estimulação da imunidade.

A Nutriblue traz para você o óleo de alho. São 60 cápsulas de 500mg para você se beneficiar com essa substância.

Recomenda-se ingerir 2 cápsulas ao dia do suplemento de óleo de alho Nutriblue, preferencialmente antes das principais refeições, ou conforme orientação de nutricionista ou médico.

 

Quais os benefícios da cápsula de alho?

O óleo de alho em cápsulastraz os benefícios do alho de forma prática para auxiliar a aumentar a imunidade e, dessa forma, ajudar na proteção do organismo contra infecções em geral.

Possui também efeito antioxidante que ajuda na prevenção de doenças do sistema cardiovascular, na regulação dos níveis de colesterol, diabetes, além de combater o envelhecimento precoce e demais danos dos radicais livres.

 

Os principais benefícios da cápsula de alhos são:

 

– Auxiliar na prevenção de doenças cardiovasculares;

 

– Ajuda na redução dos níveis de colesterol;

 

– Auxilia na regulação da pressão arterial;

 

– Ajuda a reduzir a agregação plaquetária;

 

– Prevenção do envelhecimento precoce;

 

– Ajuda a fortalecer o sistema imunológico;

 

– Ajuda a controlar a Diabetes.

 

Conclusão

O alho (Alliumsativum) já é utilizado há muito tempo na cultura popular para auxiliar na prevenção e tratamento de diversas condições de saúde, incluindo na melhora da imunidade.

Essa capacidade de estimular o sistema imunológico foi comprovada por estudos científicos, onde foi constatado que ele pode estimular a proliferação e amplificar a resposta imune mediada por células T e NK. Observou-se também uma maior produção de citocinas pró-inflamatórias.

Para melhorar, o óleo de alho além de ajudar a aumentar a imunidade, é bem tolerado, devido à suabaixa toxicidade.

Aproveite os benefícios do óleo de alho para turbinar sua imunidade.

Acesse: https://www.nutriblue.com.br/oleo-de-alho-nutriblue-60-capsulas-de-500mg/pe confira nossa promoção das cápsulas de alho.

O Que é Escoliose, Como Identificar e Quais os Possíveis Tratamentos?

O que é escoliose?

Escoliose é um desvio tridimensional da coluna que pode ser encontrada em qualquer parte da coluna vertebral, sendo menos comum na coluna cervical e mais comum na coluna torácica e lombar com predominância acentuada na região conhecida como charneira toraco lombar, ou seja, na área de junção desses dois segmentos vertebrais.

sse desvio vertebral é considerado patológico, isto é, não é normal e não deveria ocorrer. Isso porque as únicas curvas fisiológicas que ocorrem na coluna são as curvas no sentido antero posterior como as lordoses lombar e cervical e a cifose torácica. A escoliose pode ser classificada em duas linhas principais, a escoliose estrutural e compensatória, sendo essa ultima a mais comum em consultório.

A compensatória, como o próprio nome sugere é uma compensação do corpo há algum desajuste nos seguimentos abaixo ou acima da área escoliótica. Dessa forma, quando uma escoliose é identificada ela deve ser tratada a fim de evitar novas compensações deixando o corpo ainda mais suscetível a dores.

A estrutural consiste em uma escoliose que tem um caráter genético principalmente, ou alguns casos como paralisia cerebral, acidente vascular encefálico (AVE) entre outras patologias que geram como consequência uma assimetria dos tônus musculares. Esses casos acima podem ser colocados como escolioses estruturais apesar de serem também secundárias a alguma patologia, pelo fato de não se ter um tipo de tratamento que corrija essa disfunção sem ter que contar com o auxílio de próteses e tratamentos neurológicos.

Como identificar uma escoliose?

A identificação de uma escoliose, seja ela estrutural ou funcional (compensatória) é de fácil avaliação, porém incorre em muitos erros de procedimento visto o número de casos que chegam com diagnóstico errado.

As vezes pelo simples fato de um ombro aparecer mais alto ou um desvio da pelve alguns fisioterapeutas ou médicos mal informados já fecham o diagnóstico de escoliose, ocorrendo em um duplo erro já que não é assim que se confirma uma escoliose como ela por si só não é o problema em si, mas sim um sintoma ou efeito de outras disfunções que essas sim podem ser os problemas reais.

Isso é claro exclui aquelas escolioses congênitas, que esse sim são tidas como causas e efeitos da disfunção.

Para se identificar uma escoliose o procedimento correto a ser adotado é o teste de gibosidade. Nesse teste o paciente fica de frente para o avaliador, este de preferência sentado com a altura do olhar um pouco acima da cintura do paciente. O avaliador pede para o paciente fazer uma flexão de tronco a fim de que o avaliador possa fazer uma varredura visual de forma a percorrer com o olhar toda a curva vertebral no sentido antero posterior.

Iniciando na lombar baixa, e subindo com o olhar alinhado por toda a lombar  buscando qualquer assimetria entre o lado direito e esquerdo, até o final da torácica, ou seja, a parte alta da torácica próximo a junção cervical.

Dessa forma se houver qualquer assimetria entre os hemicorpos haverá ali uma escoliose, com raras as exceções que tornam imprecisas essa forma de avaliação, como por exemplo, hipertonia paravertebral, essa situação pode gerar um falso positivo, portanto o terapeuta terá de ser capaz de diferenciar uma gibosidade de uma hipertonia focal.

O lado mais alto, ou seja, o lado mais posterior da escoliose é o lado que dará nome a lesão. Por exemplo, se ao avaliar a gibosidade e for verificado que o lado direito está mais alto que o esquerdo significa que aquela é uma escoliose direita, e o contrário também é verdadeiro, se o lado esquerdo estiver mais alto (posterior), aquela é uma escoliose esquerda. Isso porque o lado mais alto mostra o lado convexo da curva escoliótica.

Existe ainda os casos, bem comuns de escoliose em S, isto é, escolioses que tem uma parte a direita e outra a esquerda, justamente para compensar e manter a horizontalidade do olhar. Esses casos são bem comuns e representam mais de 50% dos casos de escoliose encontrados, pois dificilmente o corpo não gera uma compensação a uma curva existente.

Tipos de escoliose

Congênita: escoliose resultante de má formação na coluna vertebral, presente desde o nascimento.

Neuromuscular: é a alteração da coluna vertebral por ativação muscular ou nervosa anormal. Este tipo de escoliose é freqüentemente visto em pessoas com paralisia cerebral, distrofia muscular, espinha bífida ou outras complicações neurológicas. Devido à fraqueza muscular dos estabilizadores espinhais, a coluna vertebral desses pacientes geralmente forma uma grande curva em forma de “C”.

Idiopático: Isto é o que acontece sem uma causa conhecida. Há algumas teorias que argumentam que a escoliose é comum entre os membros da família, sugerindo fortemente que ela tem uma associação com um componente genético. Outra teoria é que as alterações posturais são tão significativas que causam anormalidades nas fibras musculares e dão origem a alterações morfológicas. Está dividido por faixa etária:

Escoliose idiopática infantil: afeta crianças com menos de três anos de idade;

Escoliose idiopática juvenil: afeta crianças de três a nove anos de idade;

Escoliose idiopática adolescente: afeta crianças entre 9 e 18 anos de idade;

Escoliose idiopática de adultos: afeta crianças com mais de 18 anos de idade;

Possíveis tratamentos

Para se tratar a escoliose precisamos antes de mais nada entender que a escoliose normalmente reflete alguma alteração tanto acima quanto abaixo dos segmentos escoliótico. Isto é, a escoliose se forma para compensar algum problema que não necessariamente está localizado ali.

Isso porque o corpo tem a linha visual do horizonte como referência de normalidade, portanto se houver alguma coisa que gere uma posição anormal do corpo, como uma área de dor em que o corpo assuma uma posição antálgica, o corpo irá desviar por essa dor mas de alguma forma compensará os segmentos acima ou abaixo para manter a horizontalidade do olhar.

Assim, a escoliose seria uma situação compensatória a um quadro de dor. Assim como a dor pode gerar uma escoliose, disfunções não necessariamente álgicas como uma rotação de pelve ou um quadro de arco plantar desabado pode também gerar essa condição de forma secundária. Sendo assim, o tratamento da escoliose se da tratando as áreas que estão gerando a compensação escoliótica, isto é, tratando as áreas primárias que levaram o restante do corpo a se compensar, seja ela uma dor ou uma disfunção não dolorosa.

Existe ainda um caso em que a escoliose pode ser considerada o fator primário, ela é a escoliose congênita, isto é, a escoliose em que há uma má formação de uma ou mais vértebras, normalmente em formato de cunha, e assim todo o alinhamento vertebral será comprometido, nesse caso deverá seguir para avaliação médica para uma possível cirurgia corretiva.

A fisioterapia tem diversas técnicas para se tratar escolioses, entre as principais se encontram a reeducação postural global (RPG), a osteopatia e a quiropraxia que atuam para eliminar barreiras para o futuro alinhamento ativo, e a própria ativação muscular específica, isto é, através de exercícios específicos conseguimos gerar torque e pressão nas áreas enfraquecidas pela posição anormal da curva escoliótica assim como gerar movimento, ou flexibilidade para as áreas retraídas ou encurtadas.

Sendo assim, a longo prazo, a principal ferramenta de tratamento para escolioses será a própria ativação e exercícios musculares específicos.

Assista nosso vídeo explicando mais sobre escoliose :

FASCITE PLANTAR, O QUE É E COMO IDENTIFICAR?

O que é fascite plantar?

fascite plantar ou fasceíte plantar é a inflamação da fáscia plantar dos pés. O pé é um estrutura fascinante que suporta todo o peso do nosso corpo, sofrendo, dessa maneira, um impacto intenso e constante.

A facite plantar tem um dos motivos mais frequentes de problemas nos pés em relação com dores no calcanhar. Microtraumatismos no osso calcâneo podem levar à formação do esporão. As mesmas lesões que, normalmente, desencadeiam o surgimento de uma condição chamada fascite plantar, isto é, inflamação da fáscia plantar – tecido que recobre a musculatura da sola do pé.

A fascite plantar ou fasceíte plantar é a inflamação da fáscia plantar dos pés. O pé é um estrutura fascinante que suporta todo o peso do nosso corpo, sofrendo, dessa maneira, um impacto intenso e constante.

A planta do pé é composta por estruturas elásticas (músculo) e rígidas (fáscia) que aumentam a eficiência do impulso da marcha e potencializam a força dos músculos. O esporão de calcâneo é caracterizado por um calo ósseo na base do osso calcâneo (na sola do pé) ou ainda na região posterior do calcâneo, bem próximo à inserção do tendão de Aquiles. 

Pessoas com a curvatura dos pés acentuada, que sofrem com o sobrepeso ou que trabalham em pé durante muito tempo têm forte tendência a apresentar o problema. 

Fascite plantar – causas

Embora as causas da fascite plantar não sejam completamente conhecidas, alguns fatores de risco para o desenvolvimento da doença são conhecidos:

• Obesidade (excesso de peso) – índice de massa corporal (IMC) maior que 30
• Atividades esportivas (corrida, salto, dança), ou quando as pessoas estão de pé por longos períodos de tempo;
• A velhice;
• Pé cavo/ pé plano/padrões anómalos de marcha;
• Redução da dorsiflexão do tornozelo (menos de 0°)
• Retração dos músculos gastrocnêmio-soleo e bíceps femorais;
•Doenças inflamatórias secundárias a nível sistêmico.


É controverso se a presença do esporão do calcanhar contribui para os sintomas. Deve-se notar que entre 11 e 46% dos pacientes com esporas de calcanhar são assintomáticos, e em 32% dos pacientes com fascite plantar a presença do esporão de calcanhar não é encontrada.

Outros fatores de risco para o surgimento do esporão de calcâneo como usar, excessivamente, salto alto ou calçados que sejam pouco apropriados para os pés. Praticar esportes com forte impacto nos pés. Dança e corrida, por exemplo; pisar com o pé torto por longos períodos também podem desencadear esse problema.

Fascite plantar – tratamento

O tratamento para o esporão e para a fascite plantar é controlar a inflamação com repouso e gelo local. Mas nos casos em que há resistência, a melhor forma de tratamento é a fisioterapia que oferece exercícios e alongamentos bem específicos para os pés e as panturrilhas. A grande maioria dos pacientes responde muito bem ao tratamento com fisioterapia, assim como liberações miofasciais e manipulações de osteopatia e quiropraxia. A acupuntura pode ser associada sendo uma grande aliada no controle dos sintomas de dor.

Fascite plantar – prevenção

A prevenção deve ser enfatizada como a melhor das opções, portanto controlar o excesso de peso do próprio corpo para reduzir o estresse provocado sobre os pés; usar calçados adequados nas práticas esportivas e no dia-a-dia; evitar permanecer de pé por longos períodos e fortalecer, regularmente, a musculatura da planta do pé, certamente irão contribuir para que o problema não ocorra.

Saiba a diferença entre Osteopatia e Quiropraxia

Quiropraxia e Osteopatia, qual a diferença?

A história da terapia manual remonta o início da história escrita e provavelmente já havia algo assim, de forma mais rudimentar na pré história.

Pois, o toque e a própria reação instintiva de levar as mãos no lugar onde dói já indicam que a mão realmente tem potencial terapêutico.
Falando da história, as informações de terapias manuais mais antigas remontam da China, há cerca de 5000 anos.

Técnicas Do in para relaxar.
Técnicas Do in para relaxar.

La nasceram técnicas como o Anmá ou o Do In que são formas de tratar o doente usando os mesmos princípios da acupuntura porém sem agulhas.

Massagem Anmá

Eles acreditam que meridianos de energia, que hoje conhecemos como vasos sanguíneos e nervos, carregavam a energia vital Qi por todo o corpo, e a interrupção desse fluxo traria a doença. Fatos semelhantes também ocorria na cultura Hindú através do entendimento dos chakras energéticos, em que o bloqueio desses vórtices, como o chamavam, desencadearia desequilíbrio que a longo prazo poderia trazer patologias.

Esse apanhado histórico serve para contextualizar o raciocínio por trás da osteopatia e da quiropraxia, que muito longe do oriente em tempo e espaço, simpatizam com o mesmo objetivo, tratar regiões onde estão os bloqueios, e não exatamente a dor.

Como a Osteopatia e a Quiropraxia pode te ajudar?

Por que entendemos que o bloqueio seja ele articular, muscular, neural, vascular, facial, orgânico, visceral, emocional ou craniano são as causas primárias de desequilíbrio, que impedem o sistema de auto cura do corpo entrar em homeostase (equilíbrio) e provoca dores e disfunções orgânicas por todo o corpo.

Infográfico da história da terapia manual

Assim apresenta-se a história da terapia manual moderna, que teve seu início desenvolvido nos estados do centro oeste dos EUA por um cientista da saúde chamado Andrew Taylor Still na segunda metade do séc. XIX. Filho de um médico pioneiro e sempre fascinado pela anatomia humana a pela ciência da cura, Still dedicou sua vida ao estudo e a prática clínica, até eventualmente estabelecer a arte de cura da Osteopatia.

Still articulou primeiramente a ideia de melhorar a prática médica durante sua vida no Kansas em 1874. Na época ele teve um pensamento inspirador: O corpo humano possui muito em comum com uma máquina, que para funcionar bem precisa estar tudo em ordem.

Still era um típico médico de fronteira, que foi treinado como um aprendiz. E como muitos médicos de fronteiras, ele fez muitas coisas além da prática médica: agricultura, trabalho como mecânico e lutar na Guerra Civil.

Sua prática médica incluía cuidar dos colonos e dos índios americanos. Ele enfrentou epidemias como a da cólera, malária, pneumonia, varíola, difteria e tuberculose. Após a guerra, a meningite levou três de seus filhos, e então ele começou a buscar por um melhor sistema de prática médica.

Cuidando dos índios americanos

Esse novo sistema prometia simplesmente dar um suporte a mais a saúde, o que a princípio não parecia nada polêmico. Porém o final do século 19 era um tempo de muitas escolas de saúde, e na fronteira havia muita competição entre os médicos e uma grande desconfiança sobre novas ideias.

Assim Still se tornou um médico itinerante, primeiro no Kansas, depois no Missouri. Conversava com todos que estavam interessados em seus novos métodos, que se centrava no tratamento do corpo através da melhora das suas funções naturais. No princípio ele continuou utilizando alguns medicamentos, mas gradualmente ele atingiu bons resultados sem nenhum deles.

Com o tempo, ele começou a condenar quase todos os medicamentos usados na época.

Os métodos de tratamento de Still, que incluíam manipulações para melhorar a circulação e para corrigir a biomecânica alterada, começaram a apresentar resultados. Em 1889 o número de pacientes viajando para ver Still em sua recém-fundada enfermaria foi tão grande que ele foi forçado a ficar em Kirksville, Missouri, ao invés de viajar para ver seus pacientes. Ele se tornou atarefado e as pessoas começaram a falar dele com respeito.

Três anos mais tarde Still inaugurou a American School of Osteopathy (ASO). No início os estudantes aprendiam anatomia com William Smith, M.D., um escocês que havia estudado medicina em Edimburgo e se interessou pela osteopatia durante sua viagem nos Estados Unidos ele foi o primeiro a receber um certificado de D.O.. Still o que o possibilitou a ensinar osteopatia através de seminários, demonstrações e com prática com seus próprios pacientes.

A ASO concedeu 18 diplomas em março de 1894 e mais escolas abriram após a ASO, e graduados em osteopatia se espalharam pelo país com seus consultórios particulares.

Através da observação anatômica e da biomecânica resultante da interação entre essas mesmas peças anatômicas ele foi capaz, juntamente com diversos outros cientistas e colaboradores, de desenvolver um raciocínio clinico através de testes, palpações acuradas e quadro clinico (sinais e sintomas).

Esse raciocínio segue justamente a linha dos antigos “cientistas” orientais antigos, ou seja, que o bloqueio, ou melhor, a falta de movimento ou de fluidez corporal são as causas de “todas” as patologias e sendo assim a liberação dessa área cessaria o mal pela raiz, sendo assim evitável, inúmeros casos de medicações excessivas e cirurgias desnecessárias.

osteopatia-entenda-o-que-e-e-que-doencas-trata

Essa ciência criada por Still foi chamada de osteopatia (ostheophaty), e tem seu nome unicamente pelo fato de no início a maioria das manobras estar destinadas à parte óssea do corpo, muito porque se entendiam, não erroneamente, mas incompleto, que a noção da coluna abrigar a medula e de lá saírem toda a rede neural que conecta e da vida e movimento para o corpo.

É certo que o tratamento da parte esquelética é essencial na osteopatia justamente pelo que foi citado da sua relação neural, porem com o decorrer dos estudos verificaram que o chamado tecido mole também tem uma parcela extremamente valiosa na complicada interação biomecânica de todo o corpo humano, principalmente as fáscias.

Estas são responsáveis pela parte de preenchimento dos diversos compartimentos do corpo, separando, sustentando, unindo e permitindo a nutrição de todo o organismo, pois através das fáscias que passam os vasos e nervos de grande calibre do corpo, que então se ramificam e vão servir a diferentes tecidos dando-lhes a vitalidade necessária para funcionar.

A Distinção entre Quiropraxia e Osteopatia

Como foi dito, a osteopatia é uma ciência muito complexa por isso mesmo tem diversas linhas paralelas de abordagem. Alguns dão mais ênfase na parte musculoesquelética, outros nas funções do sistema nervoso autonômico (SNA), outros nas fáscias, desenhando suas linhas de pesquisas ou de atuação clínica para essas vertentes.

Consequentemente surgiram experts em áreas bastantes especificas e as subdivisões provenientes da osteopatia se encontram em orgânico desenvolvimento até hoje.

Exemplos mais conhecidos são a quiropraxia, que será explicada a seguir, a terapia miofascial de Jones, Sutherland, Dejarne, Maitland, Mulligan, entre outros. Cada qual com sua visão derivada da osteopatia de Still.

A quiropraxia foi uma das variações oriundas da osteopatia e foi sintetizada por David Palmer também nos EUA. A visão de Palmer era simplificar a osteopatia em técnicas mais diretas e sem muitos rodeios, indo direto para a área a ser tratada utilizando técnicas mais abrangentes e genéricas, cobrindo em uma manobra áreas inteiras que na osteopatia seriam descontruídas uma a uma.

Por isso diz-se que a quiropraxia é uma técnica mais reflexogena que a ostepatia, justamente por tratar áreas ao invés de pontos ela produz um efeito mais responsivo no corpo, ativando de forma mais poderosa o sistema de autocura do corpo.

Existe inclusive uma brincadeira para explicar essa diferença: diz-se que para diferenciar a atuação de um osteopata para um quiropata, ou quiropraxista é assim; como se faz para achar um gato em um balaio de coelhos? O osteopata palpa tudo e encontra o gato, o quiropata joga o balaio na parede e o que miar é o gato…

Isso serve para ilustrar que a osteopatia tem a finesa e o minimalismo dos movimentos a fim de atuar de forma precisa e sem excessos que podem gerar a famosa “ressaca” da consulta (dor causada pelos próprios ajustes que tendem a passar em 24h após).

A Filosofia da Quiropraxia

A quiropraxia tem uma abordagem quase que oposta nessa filosofia, eles entendem que gerando grande carga energética com as manipulações temos mais chances de acertar o que está errado no corpo, pois assim podemos tratar de forma mais rápida com movimentos mais agressivos que vão gerar grande quantidade de reações corporais e com isso resultar em mudanças mais radicais e rápidas.

O ideal para o terapeuta é entender as mais diversas vertentes das terapias manuais para que com ferramentas diversificadas fique mais fácil entender e atuar em cada corpo conforme as necessidades.

Para aqueles corpos mais delicados a osteopatia pode ser mais efetiva, enquanto que em grandes áreas de bloqueios e em corpos maiores a quiropraxia pode ser mais efetiva, até porque muitas vezes seja por dificuldade na palpação ou na correta avaliação, seja por dor ou falta de cooperação involuntária do paciente fica impossível chegar a alguma conclusão por testes.

O objetivo deste é informar sobre as principais dúvidas que aparecem em consultório e ajudar a esclarecer e facilitar a escolha de terapias ou exercícios para cada caso específico.

Pensamentos finais sobre: diferenças entre Osteopatia e Quiropraxia!

Para começo de conversa, ambas as técnicas tem muito mais coisas parecidas do que distintas.
São técnicas destinadas a correções de microlesões ou desajustes, como é usualmente chamado, que apesar de serem micro causam grandes problemas no funcionamento biomecânico do corpo, o que inevitavelmente leva a dores e perda da qualidade de vida.

Tais ajustes podem ser realizados em articulações, músculos, órgãos e vísceras, nervos e até mesmo artérias, sendo para tanto utilizado em inúmero arsenal de manobras, como manipulações (os famosos estalos), mobilizações (não produzem estalos), alongamentos, liberações fasciais e até mesmo choques verbais.

O que podemos salientar que existe na osteopatia e também na quiropraxia é a forma com que é entendido o processo de lesão primária.

Entende-se que a lesão primária não esta onde a dor aparece. Como em um escritório que não funciona bem, quem se queixa não é o que esta sem trabalhar, e sim o que trabalha dobrado para compensar a perda de uma função. Portanto, para isso, devemos trabalhar em zonas de ipomobilidade, ou seja, aquela que esta sem movimento.

Para a Quiropraxia o sistema nervoso é a fonte de toda a vida do organismo, sendo assim, com o sistema nervoso correto a saúde estará presente, sendo o contrário também verdadeiro.

Já na Osteopatia entende-se que a estrutura governa a função, sendo assim o tecido em sofrimento é o grande causador de dores, especialmente em função da disfunção do aporte sanguíneo.

Para a osteopatia o corpo possui uma característica inata de auto cura, sendo assim, quando este possui suas estruturas em ordem todo o organismo se reorganiza espontaneamente.

Cada técnica tem sua utilidade em sua devida hora, cabe ao terapeuta entender quando é hora de utilizar uma ou outra!!

Espero ter esclarecido alguma dúvida e comentem que será um prazer responder !!

Grande abraço a todos. Obrigado!!!

Frederico

ESPECIALISTA EM OSTEOPATIA, QUIROPRAXIA E ACUPUNTURA

Como a fisioterapia pode ajudar quem trabalha home office

Você já parou para pensar como a fisioterapia pode ajudar quem trabalhar home office? A pandemia de coronavírus fez com …

Mulher aplicando spray na perna.

Como prevenir as lesões na musculação e no esporte?

o prevenir as lesões na musculação e no esporte? Descrição: Os baques e eventuais lesões são frequentes em nossa vivência. …

Homem realizando a Acupuntura

Confira 5 benefícios alcançados com o tratamento da acupuntura

A acupuntua é um tratamento milenar tradicional. Ela faz parte da medicina oriental, e sua atuação de dá de diferentes …