Dicas de Fisioterapia para Pacientes e Fisioterapeutas

Leia nossos artigos. Melhore o seu estilo de vida agora!

Saiba a diferença entre Osteopatia e Quiropraxia

Quiropraxia e Osteopatia, qual a diferença?

A história da terapia manual remonta o início da história escrita e provavelmente já havia algo assim, de forma mais rudimentar na pré história.

Pois, o toque e a própria reação instintiva de levar as mãos no lugar onde dói já indicam que a mão realmente tem potencial terapêutico.
Falando da história, as informações de terapias manuais mais antigas remontam da China, há cerca de 5000 anos.

Técnicas Do in para relaxar.
Técnicas Do in para relaxar.

La nasceram técnicas como o Anmá ou o Do In que são formas de tratar o doente usando os mesmos princípios da acupuntura porém sem agulhas.

Massagem Anmá

Eles acreditam que meridianos de energia, que hoje conhecemos como vasos sanguíneos e nervos, carregavam a energia vital Qi por todo o corpo, e a interrupção desse fluxo traria a doença. Fatos semelhantes também ocorria na cultura Hindú através do entendimento dos chakras energéticos, em que o bloqueio desses vórtices, como o chamavam, desencadearia desequilíbrio que a longo prazo poderia trazer patologias.

Esse apanhado histórico serve para contextualizar o raciocínio por trás da osteopatia e da quiropraxia, que muito longe do oriente em tempo e espaço, simpatizam com o mesmo objetivo, tratar regiões onde estão os bloqueios, e não exatamente a dor.

Como a Osteopatia e a Quiropraxia pode te ajudar?

Por que entendemos que o bloqueio seja ele articular, muscular, neural, vascular, facial, orgânico, visceral, emocional ou craniano são as causas primárias de desequilíbrio, que impedem o sistema de auto cura do corpo entrar em homeostase (equilíbrio) e provoca dores e disfunções orgânicas por todo o corpo.

Infográfico da história da terapia manual

Assim apresenta-se a história da terapia manual moderna, que teve seu início desenvolvido nos estados do centro oeste dos EUA por um cientista da saúde chamado Andrew Taylor Still na segunda metade do séc. XIX. Filho de um médico pioneiro e sempre fascinado pela anatomia humana a pela ciência da cura, Still dedicou sua vida ao estudo e a prática clínica, até eventualmente estabelecer a arte de cura da Osteopatia.

Still articulou primeiramente a ideia de melhorar a prática médica durante sua vida no Kansas em 1874. Na época ele teve um pensamento inspirador: O corpo humano possui muito em comum com uma máquina, que para funcionar bem precisa estar tudo em ordem.

Still era um típico médico de fronteira, que foi treinado como um aprendiz. E como muitos médicos de fronteiras, ele fez muitas coisas além da prática médica: agricultura, trabalho como mecânico e lutar na Guerra Civil.

Sua prática médica incluía cuidar dos colonos e dos índios americanos. Ele enfrentou epidemias como a da cólera, malária, pneumonia, varíola, difteria e tuberculose. Após a guerra, a meningite levou três de seus filhos, e então ele começou a buscar por um melhor sistema de prática médica.

Cuidando dos índios americanos

Esse novo sistema prometia simplesmente dar um suporte a mais a saúde, o que a princípio não parecia nada polêmico. Porém o final do século 19 era um tempo de muitas escolas de saúde, e na fronteira havia muita competição entre os médicos e uma grande desconfiança sobre novas ideias.

Assim Still se tornou um médico itinerante, primeiro no Kansas, depois no Missouri. Conversava com todos que estavam interessados em seus novos métodos, que se centrava no tratamento do corpo através da melhora das suas funções naturais. No princípio ele continuou utilizando alguns medicamentos, mas gradualmente ele atingiu bons resultados sem nenhum deles.

Com o tempo, ele começou a condenar quase todos os medicamentos usados na época.

Os métodos de tratamento de Still, que incluíam manipulações para melhorar a circulação e para corrigir a biomecânica alterada, começaram a apresentar resultados. Em 1889 o número de pacientes viajando para ver Still em sua recém-fundada enfermaria foi tão grande que ele foi forçado a ficar em Kirksville, Missouri, ao invés de viajar para ver seus pacientes. Ele se tornou atarefado e as pessoas começaram a falar dele com respeito.

Três anos mais tarde Still inaugurou a American School of Osteopathy (ASO). No início os estudantes aprendiam anatomia com William Smith, M.D., um escocês que havia estudado medicina em Edimburgo e se interessou pela osteopatia durante sua viagem nos Estados Unidos ele foi o primeiro a receber um certificado de D.O.. Still o que o possibilitou a ensinar osteopatia através de seminários, demonstrações e com prática com seus próprios pacientes.

A ASO concedeu 18 diplomas em março de 1894 e mais escolas abriram após a ASO, e graduados em osteopatia se espalharam pelo país com seus consultórios particulares.

Através da observação anatômica e da biomecânica resultante da interação entre essas mesmas peças anatômicas ele foi capaz, juntamente com diversos outros cientistas e colaboradores, de desenvolver um raciocínio clinico através de testes, palpações acuradas e quadro clinico (sinais e sintomas).

Veja também este artigo sobre ambulância particular

Esse raciocínio segue justamente a linha dos antigos “cientistas” orientais antigos, ou seja, que o bloqueio, ou melhor, a falta de movimento ou de fluidez corporal são as causas de “todas” as patologias e sendo assim a liberação dessa área cessaria o mal pela raiz, sendo assim evitável, inúmeros casos de medicações excessivas e cirurgias desnecessárias.

osteopatia-entenda-o-que-e-e-que-doencas-trata

Essa ciência criada por Still foi chamada de osteopatia (ostheophaty), e tem seu nome unicamente pelo fato de no início a maioria das manobras estar destinadas à parte óssea do corpo, muito porque se entendiam, não erroneamente, mas incompleto, que a noção da coluna abrigar a medula e de lá saírem toda a rede neural que conecta e da vida e movimento para o corpo.

É certo que o tratamento da parte esquelética é essencial na osteopatia justamente pelo que foi citado da sua relação neural, porem com o decorrer dos estudos verificaram que o chamado tecido mole também tem uma parcela extremamente valiosa na complicada interação biomecânica de todo o corpo humano, principalmente as fáscias.

Estas são responsáveis pela parte de preenchimento dos diversos compartimentos do corpo, separando, sustentando, unindo e permitindo a nutrição de todo o organismo, pois através das fáscias que passam os vasos e nervos de grande calibre do corpo, que então se ramificam e vão servir a diferentes tecidos dando-lhes a vitalidade necessária para funcionar.

A Distinção entre Quiropraxia e Osteopatia

Como foi dito, a osteopatia é uma ciência muito complexa por isso mesmo tem diversas linhas paralelas de abordagem. Alguns dão mais ênfase na parte musculoesquelética, outros nas funções do sistema nervoso autonômico (SNA), outros nas fáscias, desenhando suas linhas de pesquisas ou de atuação clínica para essas vertentes.

Consequentemente surgiram experts em áreas bastantes especificas e as subdivisões provenientes da osteopatia se encontram em orgânico desenvolvimento até hoje.

Exemplos mais conhecidos são a quiropraxia, que será explicada a seguir, a terapia miofascial de Jones, Sutherland, Dejarne, Maitland, Mulligan, entre outros. Cada qual com sua visão derivada da osteopatia de Still.

A quiropraxia foi uma das variações oriundas da osteopatia e foi sintetizada por David Palmer também nos EUA. A visão de Palmer era simplificar a osteopatia em técnicas mais diretas e sem muitos rodeios, indo direto para a área a ser tratada utilizando técnicas mais abrangentes e genéricas, cobrindo em uma manobra áreas inteiras que na osteopatia seriam descontruídas uma a uma.

Por isso diz-se que a quiropraxia é uma técnica mais reflexogena que a ostepatia, justamente por tratar áreas ao invés de pontos ela produz um efeito mais responsivo no corpo, ativando de forma mais poderosa o sistema de autocura do corpo.

Existe inclusive uma brincadeira para explicar essa diferença: diz-se que para diferenciar a atuação de um osteopata para um quiropata, ou quiropraxista é assim; como se faz para achar um gato em um balaio de coelhos? O osteopata palpa tudo e encontra o gato, o quiropata joga o balaio na parede e o que miar é o gato…

Isso serve para ilustrar que a osteopatia tem a finesa e o minimalismo dos movimentos a fim de atuar de forma precisa e sem excessos que podem gerar a famosa “ressaca” da consulta (dor causada pelos próprios ajustes que tendem a passar em 24h após).

A Filosofia da Quiropraxia

A quiropraxia tem uma abordagem quase que oposta nessa filosofia, eles entendem que gerando grande carga energética com as manipulações temos mais chances de acertar o que está errado no corpo, pois assim podemos tratar de forma mais rápida com movimentos mais agressivos que vão gerar grande quantidade de reações corporais e com isso resultar em mudanças mais radicais e rápidas.

O ideal para o terapeuta é entender as mais diversas vertentes das terapias manuais para que com ferramentas diversificadas fique mais fácil entender e atuar em cada corpo conforme as necessidades.

Para aqueles corpos mais delicados a osteopatia pode ser mais efetiva, enquanto que em grandes áreas de bloqueios e em corpos maiores a quiropraxia pode ser mais efetiva, até porque muitas vezes seja por dificuldade na palpação ou na correta avaliação, seja por dor ou falta de cooperação involuntária do paciente fica impossível chegar a alguma conclusão por testes.

O objetivo deste é informar sobre as principais dúvidas que aparecem em consultório e ajudar a esclarecer e facilitar a escolha de terapias ou exercícios para cada caso específico.

Pensamentos finais sobre: diferenças entre Osteopatia e Quiropraxia!

Para começo de conversa, ambas as técnicas tem muito mais coisas parecidas do que distintas.
São técnicas destinadas a correções de microlesões ou desajustes, como é usualmente chamado, que apesar de serem micro causam grandes problemas no funcionamento biomecânico do corpo, o que inevitavelmente leva a dores e perda da qualidade de vida.

Tais ajustes podem ser realizados em articulações, músculos, órgãos e vísceras, nervos e até mesmo artérias, sendo para tanto utilizado em inúmero arsenal de manobras, como manipulações (os famosos estalos), mobilizações (não produzem estalos), alongamentos, liberações fasciais e até mesmo choques verbais.

O que podemos salientar que existe na osteopatia e também na quiropraxia é a forma com que é entendido o processo de lesão primária.

Entende-se que a lesão primária não esta onde a dor aparece. Como em um escritório que não funciona bem, quem se queixa não é o que esta sem trabalhar, e sim o que trabalha dobrado para compensar a perda de uma função. Portanto, para isso, devemos trabalhar em zonas de ipomobilidade, ou seja, aquela que esta sem movimento.

Para a Quiropraxia o sistema nervoso é a fonte de toda a vida do organismo, sendo assim, com o sistema nervoso correto a saúde estará presente, sendo o contrário também verdadeiro.

Já na Osteopatia entende-se que a estrutura governa a função, sendo assim o tecido em sofrimento é o grande causador de dores, especialmente em função da disfunção do aporte sanguíneo.

Para a osteopatia o corpo possui uma característica inata de auto cura, sendo assim, quando este possui suas estruturas em ordem todo o organismo se reorganiza espontaneamente.

Cada técnica tem sua utilidade em sua devida hora, cabe ao terapeuta entender quando é hora de utilizar uma ou outra!!

Espero ter esclarecido alguma dúvida e comentem que será um prazer responder !!

Grande abraço a todos. Obrigado!!!

Frederico

13 Commentários

  • Daniele Cardeal

    Ótimo texto, bem esclarecedor! Gostei das partes da analogia 😉 beijos

  • paula

    Olá gostei muito do seu site. Parabéns pela matéria! Gostaria de um esclarecimento. No caso de cervicalgia a osteopatia é mais indicada que a quiropraxia?

    • Frederico Costa e Lima

      Ola, a osteopatia e a quiropraxia são indicadas para cervicalgias. A diferença entre as duas é pequena. Obrigado

  • Fabio

    Muito bom o seu texto! Mais fiquei na dúvida de qual dessas especialidades seria mais adequada ao reumatismo, no caso migratório. Obrigado!

    • Frederico Costa e Lima

      Ola Fabio, desculpe a demora, mas reumatismo o ideal é trabralhar com o reumatologista de confiança juntamente com profissional de fisioterapia associado a atividades fisica de alongamento com fortalecimento ok?! qualquer duvida estou a disposição

  • Nara

    Boa tarde!
    Estou na dúvida qual profissional devo procurar. Recebi indicação para os dois. Eu tenho condromalácia patelar nos dois joelhos, diagnosticada há quase dez anos e estava estabilizada. Porém, ao retornar a atividade física após dois anos parada, a dor retornou e com ela todo o incômodo nos movimentos durante o dia-a-dia. Já estou realizando fisioterapia (sem muito sucesso!!), porém acredito que há algo mais no meu corpo que deva ser analisado pois possuo pronação nos pés. A indicação para correção da pisada partiu de uma fisioterapeuta excelente a qual infelizmente não tenho mais a sorte de tê-la no meu estado, a única profissional que explicou-me que o contexto do meu corpo deveria ser analisado, embora dos seis ortopedistas que passei nenhum mencionou tal necessidade, ainda que meu pai (professor de educação física) já apontasse para a pronação dos pés. Qual a sua indicação? Desde já agradeço a atenção.

    • Frederico Costa e Lima

      Oi Nara, preciso conhecer seu caso. Mas normalmente tenho otimos resultados com joelhos. Ligue no 99167-9057 e marque uma consulta ok?! Ficarei feliz em ajuda-la.

  • Carlos

    Olá Doutor, boa noite. Quantos anos cada curso tem? Qual o valor médio de cada um? Qualquer pessoa pode fazê lo?

    • Frederico Costa e Lima

      Ola Carlos, desculpe a demora mas meu site estava com problema. Ligue no (016) 99167-9057 e marque um horario para ver seu caso. Obrigado

  • Roger

    Boa tarde,Dr frederico eu estou com uma dúvida.estou com hérnia de disco já tentei fioterapia acompanhada,raike,sem contar os chás que me indicaram.mas já tem mais de dois meses que sofro espasmos na coluna,tive uma melhora no início do mês mas agora a crise de dor está voltando qual dos dois profissionais o Sr me recomendaria?

    • Frederico Costa e Lima

      Ola Roger, desculpe a demora mas meu site estava com problema. Ligue no (016) 99167-9057 e marque um horario para vc ok?! Obrigado

  • Matheus

    Olá. Gostaria de saber qual profissional é mais indicado para tratamento de hérnia de hiato. Um quiroprata ou osteopata?

  • Escreva um Comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

    7 benefícios para criar um blog de fisioterapia

    Muitas pessoas confundem blog com site, mas eles são diferentes em seu conceito, principalmente, no que diz respeito ao …

    Óleos essenciais: confira 7 benefícios

    Um prontuário médico digital pode encaminhar o paciente para os mais diversos tipos de tratamentos. 

    4 benefícios do pilates para idosos

    A prática de pilates para idosos pode ser uma ótima indicação, tendo em vista que a atividade é uma das que melhor se …